Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Ter | 20.03.12

PRIMAVERA E RENOVAÇÃO

Dr. Luís Romariz

Num artigo de fundo publicado em Outubro de 2010 foi reportado o avanço na investigação científica sobre a longevidade, efectuado pela geneticista Dra. Cynthia Kenion da Universidade de São Francisco, e sobre a resposta à questão de haver ou não um gene da longevidade nos seres vivos. Ela descobriu ser possível aumentar em seis vezes a longevidade de alguns vermes, apenas ajustando a actividade de certos genes. Também alcançou o mesmo feiro em macacos, e há evidência de que o mesmo se passará com os seres humanos. Em palavras simples, a Dra. Kenyon descobriu que os hidratos de carbono (HC), particularmente os açúcares, afectam do rectamente os genes que regulam a juventude e a longevidade. A redução na ingestão dos H.C. “abranda” o gene responsável pelo controlo da produção de insulina.  A Dra. Kenyon alcunhou este gene de “Grim Reaper” (nome Inglês para a personificação da morte) porque quando não é suprimido a produção de insulina continua inabalável e diminui a longevidade. A supressão deste gene permite o “desabrochar” de um segundo gene chamado DAF 16 e que ela alcunhou de “Sweet Sixteen” (nome da festa muito popular que se realiza em honra da celebração dos dezasseis anos de idade), sendo este o gene que promove a longevidade. Ele envia instruções abrangentes aos genes responsáveis pela reparação e regeneração celulares, pela produção de poderosos antioxidantes internos que fazem diminuir a lesão provocada pelos radicais livres. Estes, que são produzidos quer internamente quer ao nível do ambiente, estão associados a uma série de doenças que vai desde o cancro ao Alzheimer. O gene “Sweet Sixteen” também é responsável pelo aumento dos compostos que asseguram a síntese das proteínas, a imunidade, e o “desligar” dos genes oncológicos. Estas descobertas levam-nos a considerar a restrição à ingestão dos H.C. nomeadamente os de médio/elevado índice glicémico como o pão, os doces, as batatas, o arroz e massas, substituindo-os por saladas e nozes, bem como gorduras saudáveis como o azeite, ovos e peixe. Isto permite a franca diminuição da insulina, a qual está associada a muitas das doenças da actualidade, permitindo a expressão dos genes associados ao rejuvenescimento. Resumindo, a restrição calórica à custa dos H.C. permite aumentar a longevidade e ter melhor qualidade de vida.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.