Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Qua | 03.11.10

PERDA DE MASSA MUSCULAR - SARCOPENIA

Dr. Luís Romariz

Sem suplementação proteica, mais de metade dos adultos poderia ser incapaz de enfrentar a progressiva perda de massa muscular relacionada com a idade – sarcopenia. Os vegetarianos e aqueles que têm uma dieta muito pobre em colesterol podem estar nos lugares da frente da deficiência proteica, que pode conduzir a esta patologia degenerativa, e que consiste numa perda de 5 a 10% de massa muscular a cada década. A sarcopenia aumenta o risco de quedas, fracturas e incapacidade funcional. A investigação científica tem mostrado o efeito anabólico da suplementação proteica sobre a massa muscular dos humanos, com ou sem exercício. Contrariamente à crença popular, os estudos clínicos revelam que os idosos podem beneficiar com doses elevadas de proteína de alta qualidade, eventualmente até mais do que os jovens. Embora a síntese proteica dos músculos esqueléticos seja regulada por uma miríade de factores, o pré-requisito fundamental é a ingestão de aminoácidos. Curiosamente a recomendação de ingestão proteica é igual para todos os adultos – 0.8 gramas por quilograma de peso corporal – o que se resume a uma média de 58 gramas de proteína diária. Na minha opinião esta quantidade é cerca de 40% menor do que o necessário para um adulto sem doença renal. As dietas com quantidade e qualidade — leucina, isoleucina, e valina — proteica ajustada revertem, pelo menos em grande parte, a sarcopenia. Naturalmente a proteína dos ovos e do soro de leite contêm aminoácidos de alto valor biológico, mas as proteínas derivadas das ervilhas, do arroz, da alcachofra e do grão-de-bico, não são de menosprezar. Notavelmente, a leucina é um activador potente da síntese proteica de músculos esqueléticos que favorece a sensibilidade à insulina e o incremento anabólico.

Resumindo: os adultos mais idosos necessitam frequentemente de mais aporte proteico do que os adultos jovens, facto ignorado pela maioria dos profissionais de saúde. Quase 50% dos idosos corre o risco de desenvolver sarcopenia, uma perda muscular grave capaz de levar à incapacidade e à dependência de terceiros. A investigação clínica tem demonstrado que a ingestão proteica de alta qualidade exerce um efeito benéfico sobre esta patologia.