Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Seg | 26.07.10

INGERIMOS MAIS CALORIAS DO QUE PRECISAMOS

Dr. Luís Romariz

Estima-se que mais de 50 milhões de Ocidentais maiores do que 20 anos enfrentem riscos fatais devido ao excesso de ingestão calórica, os quais não fazem ideia de que estão a arruinar a saúde e a comprometer a sua longevidade. O que a pode surpreender é que estes indivíduos aparentam serem magros e saudáveis. Muitos aderem a uma dieta e programa de exercício. Mas de acordo com uma análise abrangente efectuada por investigadores da clínica Mayo, ainda assim eles ingerem mais calorias do que o seu corpo consegue utilizar. As consequências fatais incluem:

  • O quadruplo do riso de s. metabólico
  • Aumento do risco de doença cardiovascular
  • Anormalidades nas gorduras do sangue
  • Hipertensão arterial, nos homens
  • O dobro do risco de morte cardíaca, nas mulheres

 

Este surto de excesso de consumo é um factor de risco independente para virtualmente todas as doenças relacionadas com a idade – desde o cancro e aterosclerose até à artrite e demência. Este também é o principal desafio aos doentes que poderiam beneficiar dos efeitos da restrição calórica. A redução do número de calorias ingeridas, enquanto se mantém um estado nutricional óptimo (menor consumo de H.C. e maior de proteínas) inicia uma resposta anti-aging muito abrangente. A restrição calórica também melhora os biomarcadores de saúde. Ao “ligar” os genes da longevidade, a restrição calórica abranda dramaticamente a patologia do envelhecimento. Embora seja difícil a adesão a este tipo de dieta, há nutrientes que mimetizam este efeito:

  • Fisetina contida nos morangos
  • Resveratrol
  • Pterostilbeno
  • Extracto de grainha de uva
  • Quercetina
  • Chá preto

 

Estes suplementos activam as sirtuinas que ligam os genes da longevidade, e impedem a glicação. Além disso diminuem a inflamação e o stress oxidativo, ao mesmo tempo que melhoram o desempenho das mitocôndrias – as nossas centrais energéticas. A fisetina é capaz de fazer aumentar os níveis de glutatião.