Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Seg | 13.02.12

CÉLULAS CANCEROSAS E JEJUM

Dr. Luís Romariz

Um artigo publicado na revista Science Translational Medicine, revela haver uma diminuição significativa no crescimento dos tumores nos indivíduos que fazem ciclos de jejum. Este regime melhora os efeitos da quimioterapia. Uma exposição limitada a uma dieta restritiva pode proteger as células vivas dos efeitos tóxicos e oxidativos dos agentes das quimioterapias. Este efeito celular benéfico só se observa nas células normais e não nas cancerosas. Esta é uma hipótese a explorar, pois as células cancerosas reagem mal às provações ao contrário do que acontece com as células normais, as quais estão optimizadas para aguentar a falta de nutrientes.

Seg | 13.02.12

ALZHEIMER: NOVA DESCOBERTA

Dr. Luís Romariz

Um medicamento usado para tratar o cancro da pele pode vir a ser a esperança para milhões de doentes que se debatem com os efeitos debilitantes da doença de Alzheimer. Cientistas da Case Western Reserve University estudam um fármaco chamado bexaroteno o qual ajuda a limpar uma proteína ligada a esta doença. O estudo mostra que o fármaco reduz a quantidade da substancia amilóide beta em cerca de 75%, sendo que é esta proteína que danifica os nervos na doença de Alzheimer. Este estudo conduzido em ratinhos demonstrou que estes retomam o comportamento normal três dias após o tratamento com bexaroteno – comercializado sob o nome de Targretin. Há um número estimado de 5.4 milhões de doentes de Alzheimer só nos EUA. A proteína amilóide beta é comum nos cérebros humanos, mas os pacientes com Alzheimer perdem a capacidade de o remover das sinapses nervosas (junções entre nervos e entre placa motora). Esta é uma área muito interessante, pois abre novas perspectivas no tratamento desta patologia e inclusive o fármaco já está parcialmente estudado pois está à venda.

Dom | 12.02.12

Cara leitora

Dr. Luís Romariz

Boa noite! Se a alimentação for isenta de alimentos processados ricos em frutose a única forma de restringir este açúcar especificamente é reduzindo a quantidade de frutos e vegetais ingeridos. Os os outros hidratos de carbono( cereais) não são ricos em frutose . São ricos em outros açúcares . A minha questão é a seguinte: Uma dieta isenta de alimentos processados, pobre em hidratos de carbono de alto índice glicemico(nomeadamente cereais) deve também restringir as frutas e os vegetais ricos em frutose? Se restringir-mos os cereais e aumentar-mos a ingestão de fruta e vegetais, algum mel,acabamos por trocar uns açúcares por outros acabando por ter uma dieta pobre em açúcares em geral mas mais rica em frutose(oriunda é claro dos alimentos integrais e não processados) . Isto é mau?

 

Excelente questão!

O mais adequado é comer fruta e legumes, pois sempre precisamos de cerca de 15 gramas de frutose por dia. Os cereias são uma péssima escolha, excepção feita a um pouco de aveia - duas colheres de sopa - nomeadamente sob a forma de farelo. Note que o açúcar (glicose) não usado para energia pode transfoirmar-se em AGE's os quais nos envelhecvem.

Dom | 12.02.12

SINTOMAS DA "PÍLULA"

Dr. Luís Romariz

Em primeiro lugar, os meus parabéns pelo seu blog, que sigo atentamente há algum tempo. O meu nome é Ana, e tenho 28 anos. Desde há vários anos que tomo a pílula Yasmin, e sempre me dei bem com ela. No entanto, há uns meses, esta pílula entrou em ruptura de stock, e recomendaram-me então a toma da Yasminelle, de composição semelhante, apenas com uma dosagem um pouco mais baixa de etinilestradiol. Tomo-a há cerca de 3 meses, mas noto algumas diferenças, que tinham sido atenuadas com a outra pílula: pele e cabelo muito mais oleosos, aparecimento de borbulhas nas costas, maior tensão mamária. Será possível que uma diferença tão pequena cause estas alterações? A minha ginecologista é da opinião que não... Devo voltar à pílula anterior? Qual a sua opinião sobre as pílulas contraceptivas? O que aconselha para peles oleosas e com tendência acneica?

Muito grata.

Melhores cumprimentos

Ana

 

O maior problema desta e das outras pílulas reside no facto de que são hormonas alienigenas, e como tal capazes de causar cancro da mama, do útero e doença cardiovascular. A alternativa passa por uma boa conversa com o marido e o emprego de outras técnicas anti-concepcionais. Para um casal que já não quer ter mais filhos o melhor e mais facil é a vasectomia ... mas os homens ainda são renitentes.

Caso não seja possivel, tente uma "pílula" que não lhe faça sentir mal. 

Dom | 12.02.12

SINTOMAS DA MENOPAUSA

Dr. Luís Romariz

Boa Tarde Dr. Romariz Tenho 42 anos e de há uns tempos para cá, mais propriamente desde que comecei a ter alguns sintomas desagradáveis da pré-menopausa, tais como os chamados fogachos, comecei também a ter aquilo que mais me apavora, que são os ataques de pânico, os quais infelizmente e ultimamente tenho tido com muita frequência, tendo inclusivamente um deles acontecido durante a condução. Como sabe os ataques de pânico são uns dos mais horríveis sintomas que se podem sentir, pois a sensação de risco iminente de morte surge sempre que este tipo de patologia acontece. Tento controlar-me, mas ultimamente, e dada a frequência dos episódios tenho recorrido à toma do victan (situação que não me agrada), cujo medicamento foi-me receitado pelo meu médico de família para tomar em situações de emergência. A questão que gostaria de colocar é a seguinte: Face aos sintomas descritos poderá a melatonina melhorar estes sintomas desagradáveis que me estão a apavorar de dia para dia, e a comprometer seriamente a minha qualidade de vida? Onde posso encontrar a melatonina e em que forma? (comprimidos, xarope, etc???) Fiz análises aos niveis hormonais recentemente, e estavam mais ou menos dentro da normalidade. Embora o esterogénio estivesse um pouco baixo, encontrava-se dentro dos valores de referência. O tratamento com hormonas bioidênticas poderá atenuar os ataques de pânico, melhorando a minha saúde e qualidade de vida? Grata pela atenção dispensada

T. Ramos

CARA LEITORA

Tudo isso se insere na sintomatologia da menopausa, e portanto a melatonina só por si pouco ou nada a ajudará.

Terá de fazer optimização hormonal. 

Dom | 12.02.12

SERÁ A TIRÓIDE?

Dr. Luís Romariz

Será possível você ter uma tiróide hiperactiva ou hipoactiva e nem sequer desconfiar? Milhões de pessoas em todo o mundo – na maioria mulheres em menopausa ou pré-menopausa – padecem da tiróide e passam uma vida sem sequer saber o que têm, pois um desequilíbrio na tiróide nem sempre é fácil de reconhecer. Os médicos continuam a discutir se um desequilíbrio mínimo na tiróide afecta ou não a saúde mental e física. Tem algum dos sintomas seguintes?

·Fadiga crónica ou exaustão

·Irritável e impaciente

·Sente-se demasiado quente ou demasiado fria

·Depressão, ansiedade ou pânico

·Aborrecida com as alterações na pele ou cabelo

·À mercê dos seus humores

·A aumentar ou perder peso inexplicavelmente

·Perda do entusiasmo

·Insónia ou má qualidade do sono

Sente-se esgotada por ter gasto um excesso de energia durante os últimos meses? Sente-se apática, desleixada, e desligada dos amigos e familiares? As pessoas dizem-lhe que mudou? Está a tomar anti-depressivos e ainda assim está em baixo? Ou esteve sob terapia para uma depressão mais séria nos últimos cinco anos? Se sofre de mais do que um destes sintomas ou questões, então poderá eventualmente sofrer de um desequilíbrio da tiróide, que ainda não foi correctamente diagnosticado. Embora alguns destes sintomas sejam contraditórios, todos eles podem ser manifestação de desequilíbrio tiroideu. E mesmo que esteja a ser tratada com levotiroxina, se mantiver algum destes sintomas é porque o tratamento não é completamente eficaz, faltando provavelmente uma pequena dose de triiodotironina – a hormona activa. Os problemas da tiróide são frequentemente subestimados porque o stress, a depressão, o cansaço, e outros sintomas emocionais ou mentais podem mascarar este desequilíbrio tiroideu. Os doentes não estão normalmente conscientes do significado dos seus sintomas ou não os contam aos seus médicos, sendo que frequentemente são catalogados como “queixas femininas” de importância menor. O stress e o hipotiroidismo andam lado a lado, ficando por saber qual apareceu, ou é sua manifestação, em primeiro lugar.

Sex | 10.02.12

QUE EXERCÍCIO?

Dr. Luís Romariz

O Dr. K. Cooper foi o catalisador da moda do exercício físico sob o ponto de vista médico e da saúde pública. Claro que houve imensos benefícios e alguns problemas relacionados com a intensidade e duração dos treinos. Se é um facto que não estamos aptos para fazer exercícios de alta intensidade durante muito tempo, como por exemplo corrida contínua, maratona, bicicleta permanentemente em alta rotação, etc. pois produzimos radicais livres que não somos capazes de neutralizar nesse tempo, e produzimos excesso de cortisona pois o exercício torna-se stressante, também é verdade que o exercício muito certinho e à medida, por exemplo marcha  de 40 minutos sempre a 5 ou 6 km por hora, pouco beneficio nos proporciona. Do que o nosso corpo precisa é de desafios que possa vencer: marcha intervalada com corrida, subir escadas em várias velocidades, exercícios com pesos em alta intensidade e curta duração, etc.

A hormona do crescimento é uma verdadeira hormona do rejuvenescimento, e tem preceitos a cumprir para maximizar a sua produção:

  •   Exercício de alta intensidade
  •   Ingestão proteica na base de 1 a 2 gramas por quilograma de peso corporal
  •   Abolição da ingestão de hidratos de carbono de médio/alto índice glicémico, com a insulina a tender para zero

Para que o exercício possa dar a informação que produz a hormona do crescimento (HGH)é preciso recrutar as fibras musculares de contracção rápida e super-rápida, o que proporciona um verdadeiro consumo de calorias. A maioria dos programas de exercício baseia-se numa abordagem insuficiente da fisiologia do corpo humano. Por exemplo, a teoria “calorias que entram iguais às calorias que saem”, não contempla a fisiologia adaptativa pois o nosso corpo acaba por fabricar e armazenar gordura à espera da próxima marcha ou passeio de bicicleta. Ora a maior parte das fibras musculares não seleccionadas, fibras de contracção rápida/super-rápida, só é recrutada quando se adiciona intensidade ao movimento. Se não pusermos a trabalhar todos os tipos de fibras musculares e sistemas energéticos de backup, então não estaremos a fortalecer o nosso sistema cardiovascular e respiratório. Ficamos frequentemente surpresos com ataques cardíacos ou morte de atletas ou pessoas que se treinavam frequentemente. Treinavam-se mal … sem desafiar o equilíbrio interno do nosso corpo. E corpo que não se adapta a vários desafios … morre. É preciso criar uma dívida de oxigénio … mais uma divida? Isto constata-se pelo facto de ficarmos ofegantes durante algum tempo após termos parado como exercício. Estaremos a criar resistência e adaptação … adaptação ou morte! Como faze-lo? Bastam 20/30 minutos diários de marcha vigorosa intervalada de 5/5 minutos por 1 minuto de corrida, ou corrida de trinta segundos a cada dois minutos de marcha vigorosa. Podemos acumular tudo em 3 dias, o que se torna mais eficaz. Um pouco de treino de resistência de alta intensidade como levantar pesos com carga máxima para 5/6 repetições durante 3 ciclos, mais eficazmente os ciclo serão de 70, 100 e 50% do peso máximo, é sinérgico com o anterior e proporciona cerca de sete vezes a produção da HGH. Se após alguns dias se estabiliza a insulina, ao fim de dois meses os resultados são fenomenais, com cerca de 30% de perda de gordura.

 

Qua | 08.02.12

HTA – ORDEM PARA MATAR

Dr. Luís Romariz

A hipertensão arterial é uma doença esquisita, é potencialmente debilitante, frequentemente fatal, extraordinariamente comum, e extremamente silenciosa. Pode estar presente durante anos a fio sem dar qualquer tipo de sinais que alertem as suas vítimas, não lhes dando suspeitas da sua presença, e sem dar sintomas característicos. Milhões são vítimas desta patologia que frequentemente encurta a vida ou causa sequelas de AVC que são debilitantes. A HTA põe as pessoas em risco de: ataque cardiovascular, AVC (trombose cerebral), insuficiência cardíaca congestiva, insuficiência renal e diminuição da visão por retinopatia hipertensiva. Quanto maior a HTA, maior é o risco para a nossa saúde. Mesmo uma elevação mediana comporta riscos, se não for tratada, e diminui a longevidade em cerca de 17 anos. Há algumas causas conhecidas para justificar a HTA – cerca de 15% dos casos – como a coarctação da aorta, tumor da supra-renal, e doença dos rins. Mas na generalidade dos casos a verdade é que não sabemos quais a causas e chamamos-lhe hipertensão essencial. Alterações do equilíbrio sódio/potássio e magnésio/cálcio; hipotiroidismo, e todas as lesões do endotélio vascular – disfunção endotelial são causas possíveis para o aparecimento desta doença silenciosa. A HTA detecta-se medindo a pressão do sangue nas nossas artérias. Quando o coração bate e ejecta o sangue para fora do coração, essa pressão é a máxima ou sistólica. Quando o coração está em repouso, a pressão é a mínima ou distólica. A tensão varia com as posições que assumimos e mesmo com as horas do dia e os níveis de stress. Quando fazemos uma farmacoterapia da HTA devemos ter em conta a chamada fase de remodeling durante a qual parece não haver resposta à medicação, mas após cerca de 8 meses a HTA corrige. Os estilos de vida são provavelmente os grandes responsáveis pelo aparecimento desta doença. Meça a sua TA, faça exercício, coma saudavelmente, perca gordura se necessário,não fume  e suplemente com antioxidantes.

Ter | 07.02.12

ÓLEO DE PEIXE E MÚSCULOS

Dr. Luís Romariz

Demonstrou-se que dois gramas diários de óleo de peixe (omega-3) combinados com exercício de pesos melhora a qualidade e força musculares de uma maneira mais eficaz do que o exercício sozinho. O exercício não só fortalece o nosso corpo, como promove a queima de gordura. Precisamos de uma pequena percentagem de óleos essenciais (ómega-6 e ómega-3) por dia para manter as membranas celulares integras, bem como a comunicação intercelular. A importância destes óleos para as células nervosas, cerebrais e artérias é inquestionável, mas sabemos agora que têm um papel relevante nas células musculares. A capacidade para manter a força muscular à medida que envelhecemos é uma pedra de toque da medicina antiaging, pois melhores músculos equivalem a melhor imunidade, metabolismo, ossos e coração. Em suma, para uma melhor qualidade de vida.

Ter | 07.02.12

EXCESSO DE ÓMEGA-6 ACELERA O ENVELHECIMENTO DOS TELÓMEROS

Dr. Luís Romariz

Demasiada comida – de qualquer tipo – encurta o comprimento dos nossos telómeros, com o consequente envelhecimento precoce. Contudo, o pior tipo de nutriente em excesso é óleo da série ómega-6, e não as gorduras saturadas (leia-se gordura animal). Foi avaliado o comprimento dos telómeros de pessoas com cerca de 30 anos de idade, e repetida a medida após 12 anos. Os que ingeriram mais comida tiveram os telómeros diminuídos, sendo os óleos ómega-6 os que mostraram mais propensão a provocar este encurtamento. Estes óleos estão infelizmente omnipresentes na nossa alimentação moderna através das frituras, nos molhos das saladas, sob a forma de óleo de soja e outros óleos vegetais os quais são normalmente publicitados como saudáveis. São frequentemente modificados e apresentados como hidrogenados (margarinas) o que os torna piores e perigosos. Durante a evolução humana o razão entre ómega-6 e ómega-3 foi de 4 para 1. Actualmente chega facilmente aos 20 para 1, ou ainda pior. Isto causa inúmeros problemas de saúde, nomeadamente desequilíbrios hormonais potencialmente fatais. Teremos de reverter este estado de coisas consumindo menos ómega-6 e mais ómega-3 – peixe, mariscos ou suplementos.