Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Seg | 31.05.10

LICOPENO

Dr. Luís Romariz

Para obter uma pele de aspecto rejuvenescido invista na pasta de tomate. Comer diariamente um pouco de pasta de tomate (2 a 3 colheres de sopa), à qual se adiciona 2 colheres de chá de azeite, ajuda a proteger das rugas e do cancro da pele, segundo um estudo recentemente publicado. Ao fim de 10 semanas o grupo a fazer a pasta de tomate com azeite apresentava menos 40% de lesão de foto-envelhecimento. Os tomates são a melhor fonte de licopeno e os cientistas acham que este antioxidante pode ajudar a diminuir os efeitos nocivos da radiação solar sobre a pele. Claro que nenhum alimento pode substituir os cuidados básicos da protecção solar, mas também é um facto que precisamos da radiação solar para fabricar a vitamina D tão necessária à saúde.

Para além do tomate também são úteis à saúde cutânea:

  • Espinafres
  • Amoras pretas
  • Romã
  • Chocolate preto

 

Há três anos que introduzimos com sucesso o licopeno nos nossos pacientes, quer no antioxidante quer no creme de dia que lhes prescrevemos personalizadamente. De facto esta é a melhor maneira que encontramos para conciliar a necessidade de exposição solar e de protecção do foto-envelhecimento.

Sex | 28.05.10

NOVAS ESTRATÉGIAS PARA OSSOS FORTES

Dr. Luís Romariz

A corrente médica vigente centra-se quase que exclusivamente na prescrição de medicamentos, bifosfonatos, para tratar a osteoporose tentando limitar a perda de massa óssea associada á peri/menopausa, em vez de procurar aumentar a formação óssea quer no homem quer na mulher. Esta classe terapêutica está associada a potenciais efeitos secundários graves dos quais se destaca a arritmia cardíaca. Frequentemente, a osteoporose só tardiamente é diagnosticada pelo que resulta num grave declínio da integridade óssea a qual conduz dores ósseas e a fracturas fatais. A actual epidemia de osteoporose atinge metade das mulheres maiores que 50 anos e um quarto dos homens causando fracturas osteoporóticas.

Quando uma pessoa idosa escorrega ou se desequilibra, isso pode significar o fim da sua vida, uma vez que 20% dos que sofrem uma fractura da anca morrem dentro de um ano. Infelizmente, poucos são os médicos que se concentram na prevenção desta patologia silenciosa através de ajustamentos do estilo de vida e da utilização de suplementos alimentares com comprovada eficácia – exercícios com pesos, correcção alimentar, optimização hormonal; whey, vitamina D e K, cálcio, magnésio, boro, etc. Ao invés, as companhias farmacêuticas empurram os Bifosfonatos (Fosamax, Actonel, etc.) como única opção. Estes fármacos actuam diminuindo a reavsorção óssea, isto é, impedindo que se degrade tanto osso, em vez de aumentarem a formação de osso novo.

Mas vejamos como se chega à osteoporose. O osso precisa de ser renovado, e o que a evolução arranjou um esquema em que a um ciclo de destruição óssea se segue outro de reconstrução. É assim como se para renovar uma estrada sem a fechar ao trânsito, se fosse substituindo bocados do piso até este ser renovado completamente. Da mesma forma, umas células chamadas osteoclastos abrem um buraco no osso e depois outras células, os osteoblastos, tapam esse buraco com osso novo. Ao fim de algum tempo o osso foi completamente renovado. Na mulher, a partir dos 35 anos há uma progressiva diminuição da produção de progesterona – hormona que promove a osteoformação – e quando chegam à menopausa a sua deficiente produção estrogénica – os estrogénios diminuem a reabsorção óssea – amplifica imenso a perda da massa óssea. Por sua vez a privação dos níveis de testosterona retiram o principal estímulo hormonal à formação de osso novo. Mesmo quando temos as hormonas optimizadas precisamos das matérias-primas – cálcio, fósforo, magnésio, sílica, boro, e uma plêiade de outros minerais os quais existem nas proporções certas no sal marinho integral. Mas o material crucial é a proteína, nomeadamente o colagénio. É ele que dá a força tênsil aos ossos – assim como os cabos de aço de uma ponte suportam a força exercida. Muitas pessoas ficarão admiradas ao saber que é o colagénio o material que forma a maior parte da estrutura óssea. Então não é o cálcio?

Mas para haver colagénio é preciso ingerir proteína e vitamina C, entre outros. Já aqui falei sobre os sulfatos de glucosamina e condroitina (Optimus) os quais promovem a formação de colagénio. Mas para mineralizar correctamente a matriz de colagénio são indispensáveis as vitaminas D e K2. Outro nutriente que se apresentou recentemente com a capacidade de ajudar a promover a formação óssea é a ameixa.

 

Qui | 27.05.10

NEM MAIS UM ATAQUE CARDÍACO!

Dr. Luís Romariz

É um facto que a nossa medicina curativa é extremamente lenta a incorporar novos conceitos, acordando tardiamente para as realidades científicas, contudo, há terapias que são mais rápidas do que a própria sombra no que concerne a estarem disponíveis aos pacientes...!

Tenho avisado persistentemente para o perigo de termos uma proteína C-reactiva elevada, pois esta é um biomarcador da inflamação e como tal do risco de doença cardiovascular. A PCR de alta sensibilidade será provavelmente o melhor biomarcador de risco de doença coronária e eventual AVC (trombose). Há muitos métodos naturais de fazer baixar a PCR. A indústria farmacêutica privilegia as estatinas – qualquer dia são propostas até para tratar os calos...! Os estudos apontam para uma redução dos ataques cardíacos quando se baixa o colesterol LDL (o mau colesterol), pese embora o facto de a maioria ainda ficar por prevenir, o que não será de estranhar porque as estatinas praticamente não têm acção sobre o tipo de LDL aterogénico – o LDL de padrão B (lipoproteínas pequenas, numerosas e densas).

O controlo do sobrepeso e da obesidade só por si faz baixar imenso o risco de ataque cardíaco, pelo que uma dieta saudável livre de hidratos de carbono de elevado índice glicémico, de gorduras trans e baixa em saturadas, bem como elevada em ómega-3 também faz diminuir o risco da doença coronária (diminuição de 39% na PCR).

O consumo de frutos secos e de fibra alimentar também baixa o risco de enfarte do miocárdio. Um outro nutriente com capital imortancia na prevenção desta patologia é a vitamina C. Na Universidade de Berkeley, Califórnia, um estudo documentou a diminuição da PCR em 34%, nos doentes que tomaram 1 grama diário de vitamina C, e nestes também se assistiu a uma diminuição marcada dos ataques cardíacos. As hormonas sexuais, especialmente a diminuição da testosterona livre e o aumento do estradiol nos homens, propiciam o aumento do risco de ataque cardiovascular. Estes homens devem pugnar para manter a sua T livre entre os 20 e os 24 pg/mL e o estradiol abaixo de 30 pg/mL. Um estradiol elevado faz aumentar os níveis de inflamação celular conducente à doença cardiovascular.

A doença periodontal (gengivas/dentes) tem uma forte repercussão na progressão da doença cardíaca, razão pela qual devemos consultar periodicamente um médico dentista. Devemos evitar todos os alimentos cozinhados a altas temperaturas, bem como qualquer tipo de açúcar e de adoçante.

Há várias facas apontadas ao nosso coração:

  • Excesso de estrogénios
  • Excesso de triglicerídeos
  • Testosterona livre baixa
  • Diminuição da razão EPA/AA (ómega-3/ácido araquidónico)
  • Excesso de fibrinogénio
  • Excesso de homocisteína
  • Hipertensão arterial
  • Baixa vitamina K
  • Excesso colesterol (LDL padrão B)
  • Oxidação do LDL
  • Insuficiente vitamina D
  • Deficiência em óxido nítrico
  • Elevada frutose/glicose
  • Aumento da PCR
  • Disfunção endotelial

Para além das alterações dos estilos de vida também podemos deitar a mão a alguns suplemnetos:

  • Curcumina
  • Irvingia
  • Vitaminas D e K
  • Luteína
  • Óleo de peixe
  • L-acetilcarnitina
  • Flavonoides do chá verde
  • Fibra solúvel
  • Coenzima Q10
  • SOD
  • Go Ji, arginina e Pycnogenol

 

Basta de tantas mortes, faça a caminhada da vida!

Qua | 26.05.10

DISFUNÇÃO ENDOTELIAL

Dr. Luís Romariz

Embora seja um conceito conhecido pelos médicos, ainda poucos leigos ouviram falar dele. Mas antes de abordarmos esta patologia, o que é o endotélio?

Os vasos sanguíneos são formados por várias camadas, sendo o seu interior – a parte que está em contacto com o sangue – revestido por uma “película” formada por uma camada de apenas uma célula de espessura – esta camada é o endotélio. É assim como o revestimento anti-aderente das frigideiras, mas com vida própria. De facto são estas células que regulam a tonicidade dos vasos e a defesa face a uma agressão vascular – normalmente uma agressão mecânica. O endotélio fabrica um gás chamado oxido nítrico o qual tem a capacidade de fazer dilatar os vasos sanguíneos. As agressões endoteliais, seja o colesterol LDL oxidizado seja a homocisteína (um subproduto do aminoácido metionina) ou outra qualquer, têm como resultado final a alteração da capacidade de produção de oxido nítrico e portanto a disfunção endotelial. Claro que actualmente há um bloqueio da produção deste gás por causa da ingestão excessiva de frutose, mas este não é o mecanismo major da disfunção endotelial.

Esta patologia tem expressão na doença coronária, cérebro-vascular, na hipertensão arterial e na disfunção eréctil (ED). Claro que a ED é multifactorial, mas os dois maiores factores que a suportam são as deficiências hormonais (testosterona) e a disfunção endotelial. Cerca de 52% dos homens maiores que anos sofrem de algum grau de ED. E sempre que estamos em presença de uma ED devemos pensar que as coronárias não estarão em melhor estado do que os vasos penianos, pelo que poderemos prever um enfarte a médio prazo.

Os maus hábitos de vida como deficiente ingestão de vitaminas do complexo B, tabagismo ou outras adições, o stress oxidativo, o sedentarismo e o excessivo consumo de hidratos de carbono de elevado índice glicémico estão na base desta doença. E claro que a produção de NO diminui à medida que avançamos na idade! E quais são as funções do Oxido Nítrico?

  • Relaxa e faz aumentar o diâmetro dos vasos sanguíneos
  • Facilita o desenvolvimento e a manutenção da função eréctil
  • Actua como neurotransmissor envolvido na memória de longa duração
  • Modula a libertação de outros neurotransmissores
  • Mantém a tensão arterial dentro dos parâmetros normais
  • Promove uma imunidade eficaz
  • Tem um papel crucial na coagulação sanguínea

Hoje em dia, há métodos rápidos, não invasivos, baratos e muito eficazes para avaliar com precisão a extensão desta doença. Podemos melhorar a produção do NO através da ingestão de arginina – ou proteína animal e nozes – de SOD (superóxido dismutase) um antioxidante produzido pelo nosso organismo e encontrado no melão em boas quantidades, pela suplementação com pycnogenol (extracto de casca de pinheiro marítimo francês), com a ingestão de romã, bagas Go Ji e icarina (um extracto vegetal). Não podemos esquecer a acção da vitamina K2 e da vitamina D na luta contra a arterioesclerose. Podemos sempre usar o Nebilet, um medicamento fruto de um prémio Nobel, o qual faz aumentar a produção de NO – e praticamente isento de efeitos secundários. Mas boas artérias dependem em primeiro lugar de hábitos de vida saudável.

 

Dom | 23.05.10

OPTIMUS É ÓPTIMO

Dr. Luís Romariz

Parece uma redundância, mas corresponde à realidade. Estou a referir-me ao medicamento comercializado pelo Laboratório Angelini, e à venda nas farmácias, sob o nome comercial Optimus. Este fármaco é composto por sulfato de glucosamina e por sulfato de condroitina. Se é um facto que esta associação está amplamente referenciada na literatura médica pela sua capacidade para prevenir e tratar as artroses, nomeadamente do joelho e da anca, por outro lado já aqui referi anteriormente que esta medicação ao potenciar a produção de colagénio tem uma acção benéfica na manutenção e regeneração da pele, razão porque a prescrevo há cerca de dois anos na minha prática clínica, e com sucesso.

Mas, um estudo recente publicado na edição de 21 de Abril de 2010 do American Journal of Clinical Nutrition revelou que havia uma diminuição do risco de morte – risco geral – entre os consumidores desta associação medicamentosa. Este estudo observou durante 5 anos 77673 pessoas com idades compreendidas entre os 50 e os 76 anos e que tomaram este medicamento, e os resultados foram Optimus pois houve uma redução no risco de morte em cerca de 17%. Mas o Optimus é mesmo óptimo, pois foi publicado na semana passada um estudo que demonstra a sua eficácia no controlo da inflamação, A associação tem efeitos anti-inflamatórios, actuando sobre o NF-kB. As reacções inflamatórias são primariamente originadas por agentes infecciosos, reacções imunes e lesões tecidulares. O Optimus diminui a produção de citoquinas inflamatórias sem os efeitos secundários dos anti-inflamatórios comuns. Evidências preliminares revelam que o fármaco melhora a psoríase severa e é útil em patologias como o cólon irritável, a aterosclerose, o Parkinson e até o Alzheimer; a esclerose múltipla, a esclerose amiotrófica lateral, a artrite reumatóide e o lúpus.Curiosamente é o radical sulfato o responsável pela maior parte da actividade antioxidante desta associação, razão pela qual é pouco credível que outros fármacos sem o sal de enxofre possam ter a actividade terapêutica que o Optimus apresenta.

 

Qua | 19.05.10

CONTROLE O APETITE COM ESTE TRUQUE

Dr. Luís Romariz

Para evitar comer de mais – obtendo assim um tamanho extra – tente o seguinte expediente. Demore pelo menos 30 minutos a comer.

A pesquisa demonstra que saborear cada garfada como se fosse a nossa última refeição reduz os níveis das hormonas do apetite – aquelas que a saciam quando dá a refeição por terminada. No estudo, verificou-se que quando se demorava cerca de 30 minutos a comer um gelado eram libertadas em mais 30% a quantidade de duas hormonas que suprimem o apetite – o péptido YY e o glucagon-like péptido-1, e que isto durava cerca de 2 ½ horas.

As hormonas do “estou cheio” são especialmente libertadas no tracto gastrointestinal. Comer faz despoletar a produção destas hormonas, mas os cientistas ainda não compreenderam por que é que a sua libertação é maior quando se come devagar. De qualquer forma pode acrescentar os seguintes conselhos para ter um controlo mais eficaz do apetite:

  • Meia hora antes de uma refeição ingira 2 cápsulas de glucomanano e/ou 1 colher sopa de Psyllium
  • Aumente a quantidade dos vegetais, por cada refeição
  • Aumente a quantidade de proteína ou coma um queijo fresco integral 30 minutos antes de comer
  • Lembre-se de ingerir bastante água, preferencialmente antes da refeição, pois muitas vezes o nosso organismo confunde fome com sede
Seg | 17.05.10

Cara leitora

Dr. Luís Romariz

Faço uma alimentação essencialmente à base de vegetais, pois sempre me disseram que não era bom ingerir qualquer gordura saturada.

Conclui pelos vossos artigos que é aconselhada a utilização de manteiga integral em detrimento das manteigas de origem vegetal.

Também tenho lido que a manteiga faz muito mal à pele? Será isto verdade?

Seria possível esclarecerem-me o que é manteiga integral?

Obrigada

J. Martins

 

Equilíbrio e bom-senso deverão ser as principais armas dos médicos. A gordura saturada é necessária ao nosso organismo e tem feito parte da nossa alimentação desde há milhões de anos! Mais, as gorduras de origem animal são mais insaturadas do que saturadas na sua composição. Que eu conheça apenas a gordura do óleo de coco é 100% saturada, e mesmo essa é benéfica.

Altamente prejudiciais à nossa saúde são as margarinas e os óleos vegetais de consumo alimentar. A manteiga deve ser consumida com moderação e não deve ter sido objecto de processamento industrial - manteiga integral - (sem gordura; etc.). Isto permite manter ácidos gordos benéficos e vitaminas liposolúveis importantes, tais como a vitamina A. Preferencialmente devemos ingerir manteiga sem sal. As gorduras saturadas dão rigidez às membranas celulares, pelo que em quantidades óptimas ajudam a manter uma pele saudável. Depois. Manteiga a também pode constituir um bom ingrediente (50%) para fritar numa frigideira em conjunto com azeite. Finalmente, tenha em conta que uma alimentação à base de vegetais não fornece a quantidade/qualidade proteica que necessitamos.

Seg | 17.05.10

MAÇÃS vs SAÚDE

Dr. Luís Romariz

Dados recentes sobre nutrição presentes no relatório “ Efeitos anti-proliferativos da casca da maçã na luta contra as células cancerosas”, mostram uma relação inversa entre o consumo de maçãs e o risco de vários tipos de cancro. As cascas das maçãs, que têm excepcionais concentrações de antioxidantes, são frequentemente rejeitadas. Nos estudos foram avaliados os efeitos anti-proliferativos dos extractos das cascas de maças sobre vários tipos de células cancerosas. Os dados mostram que estes extractos, obtidos de maçãs biológicas da variedade Gala, conduziram a uma acentuada redução na viabilidade de uma variedade de linhagens de células cancerosas. Dentro das várias linhagens de células cancerosas destacam-se as dão cancro da próstata e da mama. Os investigadores concluem que embora sejam precisos mais estudos, não devemos rejeitar as cascas das maçãs. O problema é que na agricultura não biológica é nas cascas que se concentram os pesticidas!

Qua | 12.05.10

Cara Ana

Dr. Luís Romariz

Boa tarde. Estou a pensar fazer uma lipo não invasiva e, como tal, decidi recorrer à internet para a aprender mais sobre o tema. No início da minha pesquisa fiquei muito entusiasmada, pois só encontrei artigos que diziam muito bem do tal procedimento. Mas, agora que leio este post, fico um pouco apreensiva. Por um lado vejo relatos de pessoas que notam óptimos resultados, como é o caso da Joana Andrade, que passou de um 42 a um 36 em 3 meses. Por outro lado, dizem que este tratamento só se adequa à perda de pequenas quantidades de gordura... Estou um pouco confusa, pois aquilo que ambiciono é, tal como a Joana Andrade, passar do meu (vergonhoso) 42 para o tão desejado 36. A lipoaspiração não invasiva adequa-se ou não à minha situação? Agradeço desde já a atenção.

 

Infelizmente não há receitas fáceis tal como não há almoços grátis. Quando queremos perder peso e volume devemos ter em conta que o que QUEREMOS é perder gordura. Ninguém quer perder peso também à custa da perda de massa orgânica como de coração, por exemplo. A ideia de que mais exercício e menos calorias também é errada pois as calorias não todas iguais, e por outro lado o exercício apenas aumenta a taxa metabólica. Posto isto, vamos ao que interessa! A perda de gordura está dependente de uma hormona chamada lipase. Esta fica bloqueada enquanto houver insulina nos receptores celulares, pelo que se torna evidente que é pela diminuição franca dos HC de maior índice glicémico que é possível passar a gastar gordura. Mas ainda assim ela tem de ser queimada nas mitocôndrias celulares. A outra forma é através da lipoaspiração invasiva, mas esta não actua na gordura intraabdominal. Quanto à não invasiva, continuo a perguntar: para onde vai a gordura? Garantidamente não sairá pela urina, suor e mesmo nas fezes será uma quantidade mínima. Isto é fácil de verificar com análise diária à urina...! Temo que possa ser acumulada na cavidade abdominal, e aí sim... TEMOS um grande problema de saúde.

Penso que a lipo não invasiva pode ter indicação na perda de gordura abdominal extra cavitária após um programa de emagrecimento saudável, e devidamente acompanhado por exercício físico.

Uma sala não fica limpa se pusermos o lixo debaixo do tapete!

fv

Qua | 12.05.10

A DOENÇA CARDIOVASCULAR PODE SER CAUSA DE VERTIGEM

Dr. Luís Romariz

A doença cardíaca, e não os problemas do ouvido interno,  podem ser a maior causa de vertigem nas pessoas mais velhas. Cerca de 30% dos adultos tem algumas sensações de vertigem. Estudos prévios culparam os problemas do labirinto (ouvido interno) pelas vertigens, condições essas conhecidas como distúrbios vestibulares. A maioria das pessoas recorre ao seu médico para relatar as queixas de vertigem, razão pela qual esta patolgia é mais difícil de ser estudada em meio hospitalar. No entanto, foram executados testes em 417 pessoas maiores que 65 anos que recorreram ao seu médico de família com queixas de vertigens com mais de duas semanas de evolução. Um Gerontologista, um médico de família e um médico de uma instituição de idosos reviram independentemente os testes efectuados e procuraram as causas em cada um dos pacientes com vertigens. Era contabilizada uma causa quando pelo menos dois dos médicos estavam de acordo.

Na maioria – 57% – dos casos, o painel incriminou as doenças como a causa major de vertigem. As causas oriundas do labirinto apareciam em segundo lugar, e as psiquiátricas em 10% dos casos. Os efeitos secundários provocados pelos medicamentos contribuíam com ¼ dos pacientes. Mais de 60% das pessoas estudadas foram encontradas duas ou mais causas para as vertigens, pelo que os médicos devem começar a considerar diferentes causas a interagir e a contribuir para este problema. Tal como devemos pensar, em face de uma disfunção eréctil, que se os vasos penianos estão estreitados os do coração não estarão melhores, também devemos seguir o mesmo tipo de raciocínio em relação aos vasos do ouvido interno. Para alem da causas devidas à  alteração do metabolismo das gorduras, devemos pensar na inflamação crónica provocada pela exposição continuada aos tóxicos ambientais e nas lesões provocadas pelo que chamamos cálcio metastático. Isto é, deposição de cálcio nas artérias por insuficiência em vitamina D, e vitamina K2. De facto, a minha experiência clínica evidencia que há uma insuficiência generalizada em vitamina D, sendo que a população não está alertada para esta situação. Isto tem raízes na heliofobia vigente, sendo que os protugueses se expõem pouco ao sol, e quando o fazem estão besuntados de cremes com filtros solares os quais impedem a formação da vitamina D. Como comemos poucos vegetais há uma insuficiência em vitamina K – menaquiona – e o cálcio deposita-se facilmente nas artérias. Queiramos ou não, somos o que comemos!

Pág. 1/3