Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Qua | 20.01.10

FDA CONTINUA POUCO MOTIVADA PARA A PROBLEMÁTICA DO BISFENOL A

Dr. Luís Romariz

Em Janeiro último, a FDA emitiu um relatório em que se mostrava preocupada com o que concerne ao Bisfenol A, um insidioso aditivo tóxico usado no fabrico de plástico e que se encontra em 90% das amostras de urina. A FDA está preocupada com os efeitos nocivos sobre o cérebro, sobre o comportamento, sobre a próstata fetal e dos jovens. As agências governamentais têm estado à espera que os fabricantes de plástico retirem espontaneamente este tóxico.

Como já escrevi noutros artigos este tóxico está implicado também em doenças cardiovasculares, e este assunto deve ser motivo de debate alargado, pois para além do atingimento cerebral ele é um perturbador endócrino comportando-se como um estrogénio alienígena, estando presente em concentrações tóxicas em toda a água do Planeta – mesmo nos lugares mais paradisíacos e recônditos. Por muito incrível que pareça as vulgares garrafas plásticas vendidas com água libertam bisfenol A.

O grande problema em relação aos tóxicos alimentares e ambientais está na dificuldade de estabelecer uma relação de causa/efeito pois os seus sintomas aparecem muito tempo após o seu contacto ou ingestão

 

Qua | 20.01.10

OS ALIMENTOS QUE OS PORTADORES DE DOR CRÓNICA DEVEM EVITAR

Dr. Luís Romariz

A dor crónica é uma questão sensível sendo a fibromialgia é uma forma muito comum. É uma doença crónica cujos sintomas incluem dores predominantemente musculares, fadiga, depressão e alterações do sono. Dados recentes sugerem que a sensibilização central, na qual os neurónios da espinal medula se tornam sensíveis por inflamação ou lesão celular, pode estar envolvida na forma como os pacientes desta doença processam a dor. Certos químicos contidos na alimentação despoletam a libertação de neurotransmissores que aumentam esta sensibilidade.

Embora tenha havido poucos estudos sobre a relação da fibromialgia com a dieta, as seguintes regras alimentares não fazem mal, e podem ajudar a lidar com a dor crónica.

Limite ao máximo o consumo de açúcar e cereais, particularmente o trigo e os que têm glúten. Estes fazem aumentar os níveis de insulina que tipicamente pioram as dores. Esta limitação inclui os sumos de frutos, ainda que caseiros. Coma fruta fresca.

Coma alimentos frescos sem conservantes ou aditivos, pois estes podem despoletar a sindroma do cólon irritável. É boa ideia comprar alimentação biológica sempre que possível, para evitar os pesticidas e outros químicos. De qualquer forma dê preferência aos frescos.

Evite a cafeína pois a fibromialgia tem ligações com desequilíbrios nos químicos cerebrais que controlam o humor, e também está ligado frequentemente a alterações do sono.

Seja cuidadosa com as gorduras que ingere. Os óleos ómega-3 podem ser extremamente benéficos na dor crónica, o DHA porque fortalece as membranas celulares e o EPA por que é anti-inflamatório. Elimine COMPLETAMENTE as margarinas e o fast-food.

Cuidado coma ingestão de fungos/leveduras pois o seu crescimento pode contribuir para aumentar a dor.

Evite o aspartame e o MSG pois este adoçante artificial encontrado em muitos refrigerantes faz parte de um grupo de excitotoxinas, que activa os neurónios responsáveis pele sensibilidade à dor. O monoglutamato de sódio (MSG) causa frequentemente estimulação dos neuroreceptores da dor.

Na minha prática clínica a abordagem a este tipo de dor engloba o doseamento e respectiva correcção dos níveis da vitamina D, da DHEA e do cortisol, bem como a suplementação com ácido lipoico. Se as alterações no eixo supra-renal podem dar este tipo de sintomatologia nomeadamente a fadiga, normalmente após uma infecção respiratória, a insuficiência em vitamina D parece ter uma relação directa com a fibromialgia. Na realidade, os estudos cada vez mais apontam para a insuficiência em D como a possível génese desta patologia o que deve ter a ver com a crescente heliofobia das últimas décadas. Por fim, o óleo de coco tem sido muito benéfico para os pacientes com fibromialgia! 

Seg | 18.01.10

SARDINHAS: ALIMENTO TOP

Dr. Luís Romariz

Recentemente, aconteceu algo grandioso às pequenas sardinhas: O Web site da Oprah Winfrey nomeou este peixe um dos “25 melhores alimentos.”

Embora as sardinhas e os super alimentos não costumem fazer parte do mesmo filme, no site declarava-se: “Ricas e deliciosas sardinhas que não só contêm mais omega-3 e cálcio, como têm menos mercúrio. Para além disso são sustentáveis, isto é, não estão em risco de extinção.”
Eu entendo o porquê das sardinhas serem consideradas um super alimento. São uma óptima fonte de ómega-3, mesmo que sejam enlatadas, o que reduz o risco de doença cardíaca, aumenta a função cerebral e o humor, o que as converte num poderoso anti-inflamatório. Elas também contêm CoQ10, um poderoso antioxidante e um autentico tónico cardíaco. São baixas em calorias e ricas em proteínas. Para além disso, quando consumidas na íntegra como é o caso das sardinhas em lata, são extremamente ricas em cálcio – 6 sardinhas têm cerca de 325 mg deste elemento e 138 UI de vitamina D, bem mais do que uma chávena de leite…! São uma boa fonte de potássio, essencial ao bom funcionamento cardíaco, e têm cerca de 20 gramas de proteína.
Embora eu não seja fã de alimentos enlatados, a máxima em medicina é “nem sempre nem nunca” e as sardinhas em lata fazem parte da minha alimentação uma vez por semana. São fáceis de transportar, estão prontas a comer e são saudáveis.
Dom | 17.01.10

REVITALIZAR A PELE ENVELHECIDA COM VITAMINA C TÓPICA

Dr. Luís Romariz

A sobreexposição à radiação ultravioleta e aos poluentes ambientais podem acelerar o envelhecimento da pele via degradação do colagénio e despoletar o stress oxidativo cutâneo. Felizmente, os benefícios antiaging de um fármaco já utilizado pelas civilizações milenares para curar a sua pele pode ajudar a ultrapassar estes efeitos indesejáveis. A Vitamina C é um componente essencial à produção de colagénio e é um potente antioxidante capaz de ajudar a rejuvenescer a pele envelhecida e com lesões de foto envelhecimento – envelhecimento da pele provocado pela radiação solar. Embora esta vitamina seja um importante nutriente para alcançar uma boa saúde pouca chega à pele após a ingestão oral. Isto é essencialmente devido à deficiente micro circulação sanguínea da pele, sendo extraordinariamente amplificado no caso das fumadoras. Os níveis de vitamina C cutânea declinam com o passar da idade, e a sua reposição directa na pele pode ajudar a combater a degradação do colagénio e o stress oxidativo. Os resultados dos estudos mostram que a vitamina C quando aplicada topicamente promove a formação de colagénio e mitiga os efeitos deletérios dos radicais livres, ajudando a manter a pele firme e com aparência jovem.

A aplicação de vitamina C na pele tem sido um marco ancestral da beleza feminina, e as mulheres têm aproveitado os seus efeitos anti-envelhecimento ao longo dos séculos. No Tibete durante a dinastia Tang (618-907 AC), as mulheres que queriam combater os efeitos exteriores do envelhecimento prematuro aplicavam algas marinhas nas suas mãos e rosto. As bagas douradas das algas contêm um óleo rico em vitamina C. As bagas das roseiras bravas contêm mais vitamina C do que as laranjas – cerca de 20 vezes mais. De facto, é esta concentração em vitamina C que dá às bagas da roseira, às algas e a certos frutos os seus potentes poderes anti-envelhecimento e rejuvenescedores. Não surpreende pois que há vários séculos os Nativos Americanos fizessem uma pasta proveniente das pétalas da roseira e rica nesta vitamina, a qual aplicavam à sua pele. Aliás, os primeiros hidratantes eram à base de água de rosas.

A medicina moderna reconheceu as propriedades desta vitamina pois os estudos clínicos provam que à medida que a pele é lesada pelo sol, fumo e inflamação - com a consequente diminuição do colagénio – a aplicação de vitamina C é capaz de aumentar a síntese de colagénio, abrandando a sua degradação. Este trabalha com a elastina de forma a dar suporte à pele e a torna-la elástica. Por outro lado a vitamina C é capaz de ajudar a manter íntegro o colagénio ao influenciar as enzimas que o destroem.

O que torna as preparações de vitamina C tão importantes? Os humanos e outras espécies não têm a capacidade de produzir vitamina C que é vital para uma pele bela e saudável. Para piorar este panorama, a vitamina C é hidrossolúvel, pelo que grande parte da vitamina C ingerida é rapidamente excretada pela urina. De facto, a aplicação directa na pele é 20 vezes mais eficaz do que ingerida.

Sab | 16.01.10

O ANTIOXIDANTE ENERGÉTICO

Dr. Luís Romariz

Provavelmente sabe que eu sou fervoroso adepto de um vasto cocktail de antioxidantes, nomeadamente dos que são obtidos através da alimentação. Penso que o cerne da antioxidação reside na variedade e não na quantidade. Não há substitutos a uma alimentação saudável, entendendo como saudáveis os alimentos não processados e orgânicos/biológicos.

Contudo, há alguns suplementos que considero altamente benéficos para o ser humano, nomeadamente o coenzima Q10, a vitamina B12 (na forma de absorção sublingual) e o ácido alfa lipoico.

A coenzima Q10, é vendido há mais de 15 anos. Porque é que eu o considero tão essencial? Eu acredito que um dos pilares do processo do envelhecimento é a produção de radicais livres. Estas são subpartículas derivadas do oxigénio, deficientes num electrão e por isso mesmo altamente reactivas. Podem danificar os tecidos e o ADN. Se pudermos limitar a produção de radicais livres, então estaremos a abrandar o processo do envelhecimento. Ora a coenzima Q10, interfere positivamente na produção de energia celular nas mitocôndrias, captando os radicais livres e neutralizando-os. Além disto serve de transportador de energia no processo de fabricação de ATP (a nossa moeda energética). Esta é outra razão para usar suplementos de coenzima Q10, pois ajuda a aumentar a energia. Nos nossos dias a coenzima Q10, tem particular importância face ao uso quase indiscriminado de estatinas (medicamentos para baixar o colesterol). Estes fazem mais mal do que bem, e poderão vir a ser considerados a “fraude”do século, debilitando as reservas de coenzima Q10 e por consequência o coração que era suposto preservarem.

 

Qui | 14.01.10

ESPERANÇA NA PREVENÇÃO CO CANCRO DO PULMÃO, ATRAVÉS DO CHÁ VERDE

Dr. Luís Romariz

 

Beber chá verde poderá ajudar a proteger os fumadores do cancro do pulmão, Segundo as conclusões de um recente estudo.

Os cientistas descobriram que quem bebia pelo menos uma chávena de chá verde, que é rico em antioxidantes, ficava com um riso de contrair cancro do pulmão 13 vezes menor em relação com os que não bebiam chá. O risco entre fumadores/não fumadores, a beber chá verde era 5 vezes menor para o cancro do pulmão. Este estudo foi efectuado na Tailândia onde as pessoas bebem imenso chá verde.

O cientista-chefe do estudo I-Hsin Lin, da Chung Shan Medical University declarou: “ O cancro do pulmão é a principal causa de morte entre todos os tipos de cancro na Tailândia. O chá, particularmente o chá verde, tem sido objecto de muita atenção porque os seus polifenois são potentes antioxidantes, e as infusões têm demonstrado efeito inibidor sobre a génese tumoral.”

A equipa do Dr. Lin comparou 170 cancros do pulmão e 340 indivíduos saudáveis a quem foi questionado os seus hábitos tabágicos, consume de chá verde, dieta e história familiar. Os participantes também foram testados para factores de crescimento – químicos biológicos – que estimulam o crescimento tumoral. Os consumidores de chá verde tinham menos 66% de predisposição para o crescimento tumoral.

Este estudo levanta grandes esperanças, especialmente para os fumadores, mas é bom que se perceba que a ideia não é beber chá verde para poder fumar. Mesmo que o risco de cancro pulmonar fosse zero com a ingestão de chá verde, ainda assim há demasiados malefícios para a saúde associados ao tabagismo. Facto é que os antioxidantes vão provando a sua extrema utilidade na prevenção e terapia de variadíssimas doenças desde o cancro do pulmão às sequelas da gripe. Todos os meus pacientes são encorajados a beber chá verde desde há pelo menos 3 anos, e a todos é prescrito um cocktail de antioxidantes. Neste caso é nossa filosofia que é preferível menos quantidade mas maior variedade. Ironicamente há estudos que apontam para uma maior incidência de cancro do pulmão após 7 anos de parar o tabagismo. Certamente neste caso os antioxidantes terão uma palavra a dizer!

Ter | 12.01.10

COMO MANTER A MEMÓRIA

Dr. Luís Romariz

Manter operacional a nossa memória á medida que envelhecemos é um desafio, particularmente dado que é voz corrente que a memória declina com a idade. As células mirram no cérebro á medida que este envelhece e se torna menos eficiente a processar as informações, e o desempenho final diminui. Toxicos, deficiencias nutricionais, e agressões também podem causar diminuição d a capacidade cerebral.

 

Mas se este declínio associado à idade não for inevitável? E se a memória tiver equivalente no músculo que se deteriora por falta de exercício? De acordo com a Alzheimer's Association, "Há crescente evidência que o estilo de vida pode afectar a saúde do nosso cérebro e o risco de doença."

Se quiser fazer exercícios agradáveis para manter o desempenho do seu cérebro, eis algumas das 1.000 maneiras de o fazer:

1.Mantenha um tipo de vida saudável. Os cientistas que seguiram 5.123 indivíduos procurando por hábitos nocivos para a saúde (fumar, baixo consume de fruta e de vegetais, falta de exercício físico e álcool) estavam associados a mau desempenho cerebral e a má memoria. Mais, os indivíduos com estes maus hábitos de vida tinham o dobro da possibilidade de ter problemas de memória do que os que não fumavam, comiam uma alimentação saudável, faziam exercício regularmente e eram moderados no consumo de álcool.

2. Andar para trás. O movimento corporal afecta a maneira como pensa. Por exemplo, empurrar torna uma pessoa mais apta a gostar de algo; puxar tem o efeito contrário. Da mesma forma, andar para trás despoleta um poderoso mecanismo de potência cerebral.

3. Aprender novos passos de dança. Comparando pessoas que aprenderam a dançar o tango com pessoas que andavam regularmente a pé, os dançarinos melhoraram a sua memória e as suas capacidades após 10 semanas. Os que faziam a marcha não obtiveram uma melhoria mensurável. O estudo foi publicado no New England Journal of Medicine (Junho 19, 2003).

4. Considere beber cinco chávenas de café diariamente. A cafeína desencadeia uma reacção química cerebral que para o desenvolvimento da doença de Alzheimer (em laboratório).

5. Navegue na Internet. Vinte e quarto indivíduos foram submetidos a exames cerebrais enquanto navegavam na Net. A zona da memória – conjuntamente com as regiões envolvidas na linguagem, leitura e capacidades visuais – foi activada, levando os cientistas a pensar que o exercício cerebral fortalecia as capacidades mentais.

6. Trabalhe as “1000 maneiras de melhorar a sua memória.” Da autoria de N. L. Shraman, este Website contém centenas de testes e jogos capazes de estimular a sua memória e deliciar a criança que há dentro de si.


"An Apostle for Fitness" editado pelo Wall Street Journal, Carole Carson deu inspiração a mais de 1.000 pessoas que perderam no seu conjunto mais de 4.000 quilos. Carole é a autora de From Fat to Fit: Turn Yourself into a Weapon of Mass Reduction e é treinadora do AARP Fat to Fit Community Challenge, um programa grátis para perder peso.

Ter | 12.01.10

LEPTINA COMO TERAPIA DA DOENÇA DE ALZHEIMER

Dr. Luís Romariz

Um artigo de cientistas da Boston University School of Medicine e Framingham Heart Study publicado no Journal of the American Medical Association (Dec 16) revela o relatório de um estudo prospectivo a longo termo em idosos, livres de demência. Este estudo focou-se na associação entre a hormona Leptina produzida pelas células de gordura (adipócitos) e o risco de desenvolver. Especificamente, as pessoas com níveis basais elevados de Leptina circulante foram conotadas com uma redução da doença.

Os cientistas pensam desenvolver uma hormona para estabilizar os níveis de Leptina nos doentes com propensão a desenvolver doença de Alzheimer.
Qui | 07.01.10

Cara Margarida

Dr. Luís Romariz

 

Boa tarde, no passado dia 1 de Janeiro de 2010 tive uma cólica renal acompanhada de infecção urinária.
Fui tratada no hospital, mas embora continue a fazer antibiótico e urispás sinto uma "moinha" constante que me está a deixar muito preoucupada.
Já fiz uma eco e o médico diz nada ver, mas esta senssação de grande desconforto (como se o rim estivesse dilatado) não passa, até tenho receio de procurar um especialista, pois sou mesmo MUITO ansiosa e medricas.
Desde já agradeço.
Atentamente,

Margarida 

 


Essa "moínha" é característica  da litíase renal, bem como a sensação de dilatação que refere.Penso que deverá seguir o estudo da patologia pois caso contrário vai andar a navegar do mar sem bússola. Não tenha medo, eu próprio já passei por isso e sem problemas de maior.
Sempre ao dispôr.
Luis Romariz

 

 

 

 

Qui | 07.01.10

Cara leitora

Dr. Luís Romariz

 

Caro doutor

Sou uma pessoa sempre atenta às questões que apresenta no vosso site, e por esse motivo gostaria que me esclarecesse sobre os medicamentos para a osteoporose.
tenho 56 anos , e iniciei a menopausa aos 46. Nunca tomei  THS, mas sim fitoestrogénios nomeadamente, o estrofito plus e phytofemme. Também tomo o calcio marinho , osseofemme. Nada mais de medicamentos.
Presentemente o meu médico receitou-me Protelos, após ter feito  uma densitometria ósseacom os seguintes resultados:

coluna lomar: BMD-0.772g/cm3     SCORE T -2.5     SCORE Z -1.3

Fémur: BMD-0.784 g/cm2               SCORE T -1.3     SCORE -Z -0.

Mediante estes dados , e tomando atenção ao que foi dito sobre os fármacos para a osteoporose, não sei se este que me foi receitado, se inclui no mesmo grupo. Caso afirmativo , que devo tomar mais, além do exercico físico que pratico , hidroginástica e iniciando aulas de pilates e ginásio.
Grata pela vossa atenção ,
Maria Irene

 

 Os estrogénios que tomou são fitoestrogénios, como tal alienigenos para o organismo humano. Enfim! O grande problema está ligado à falta absoluta de progesterona e de vitamina D. Não me parece grande ideia estar a gastar dinheiro nos cálcios pois alguns lacticineos e couves são mais do que suficientes. Tal como tenho escrito, cuidado com o cálcio na ausência de vitamina D e K2 pois pode depositar-se nas artérias.
Os medicamentos que referi - bifosfonatos - não têm nada a ver com o protelos. Ainda assim, o protelos tem um metal pesado, o estrôncio, o qual nada sabemos da sua possivel toxicidade a longo prazo. O que sabemos é que os metais pesados provocam intoxicação cerebral, renal e eventualmente cardíaca.
O ideal seria fazer a substituição hormonal bioidêntica e vitaminas. Peça um teste de doseamento da 25-hidroxivitamina D. Sem bom aporte proteico não há bons ossos. Se puder ajudar, diga.
Cumprimentos
Luis Romariz