Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Ter | 29.12.09

COMO AS RUGAS SÃO AFECTADAS PELA ESPESSURA DA PELE ...

Dr. Luís Romariz

Todas temos pele fina…em determinadas áreas! A espessura da pele veria consideravelmente, dependendo da sua localização e do seu papel: é extremamente fina à volta dos olhos e pálpebras e grossa na palma das mãos. As áreas de pele fina têm tendência a ter menos colagénio e gordura, o que as torna mais propensas a rugas. Além disto, a melanina (pigmento que dá cor à pele) é a nossa melhor defesa contra os efeitos nocivos do sol – foto envelhecimento – razão pela qual as pessoas mais escuras exibem menor lesão cutânea. Consequentemente, o grau de envelhecimento da pele varia segundo a genética individual e segundo os níveis cumulativos de radiação. A pele mais grossa e oleosa também é mais refractária a ter rugas. A aparência de uma pele madura pode ser melhorada pela utilização regular de uma combinação de cremes hidratantes que contenham filtros solares e comprovados ingredientes rejuvenescedores – vitamina C, retinol, ácido lipoico. Uma pele bem hidratada pode diminuir a aparência de rugas finas e providenciar uma melhor textura.

Dom | 20.12.09

PORQUE É QUE O STRESS ENGORDA?

Dr. Luís Romariz

Um estudo recentemente publicado no American Journal of Epidemiology analisou os dados de 1.355 homens e mulheres aos quais tinha sido medido o peso e os níveis de stress em 1995 e posteriormente em 2004.

Os dados revelaram que os que tinham excesso de peso ou obesidade acumulavam mais gordura quanto mais elevados os seus níveis de stress fossem. Os que eram magros, magros continuaram segundo o autor do estudo o Dr. Jason Block da faculdade de Harvard, “O efeito do stress parece não atingir os magros, apenas os que têm excesso de peso.”

O stress é uma causa major do nosso descontentamento diário e tem impacto no peso corporal.

O stress apresenta-se sob duas formas:

Agudo que acontece quando vamos apanhar um avião, estamos cheios de trabalho, ou os filhos pedem ajuda e nós sentimos o peso do mundo nos nossos ombros.

Crónico que aparece quando vivemos o dia-a-dia sem esperança ou se perdemos a auto-estima.

A melhor maneira de lidar com os problemas, Segundo a minha perspectiva de 30 anos de profissão, é tentar compreender as causas do stress.

Uma vista sobre o que o stress nos faz

1. Metabolismo  – O stress estimula a produção da hormona cortisol a qual abranda o metabolismo.  

2. Glicémia e Insulina  – O stress causa a flutuação dos níveis de insulina e açúcar. Quando a insulina está alta e o açúcar baixo nós procuramos comida – particularmente as salgadas e doces.

3. Ânsias de quebrar as regras – O nosso desejo de comer alimentos-lixo está directamente ligado aos níveis hormonais e ao stress. Quando o stress aperta as pessoas não correm à procura de legumes e frutos, elas comem batatas fritas ou análogas.

4. Deposição de gordura na barriga e coxas  – Quando estamos stressados, comemos alimentos-lixo que se acumulam na cintura e coxas abrindo caminho para doença cardíaca, AVC e diabetes.

5. Alimentação emocional  – O stress e os níveis crescentes de cortisol impelem-nos para um ciclo de má alimentação, ingestão aumentada de cafeína e álcool, sedentarismo e insónia.

Como evitar que o stress nos engorde:

1. Não se isole. Aproxime-se dos amigos, familiares, ou outras pessoas que lhe possam dar recomendações positivas ou que sejam exemplos positivos.

2. Afaste-se de pessoas críticas ou de atitude negativa. O sarcasmo é sempre negativo.

3. Exercício. A menos que se sinta pior após o exercício, o que é normalmente sinal de doença, inicie um programa de treino. Sentir-se-á melhor e com menos ânsias alimentares.

4. Relaxe. A melhor maneira de relaxar é concentrar-se em boas recordações ou imaginar lugares fantásticos.

5. Um sono profundo é chave para  se sentir melhor e perder peso. Durante o sono, são produzidas hormonas que nos renovam e fortalecem.

6. Equilibre as suas hormonas. Se tem mais do que 40 anos, as suas hormonas precisam de ser optimizadas. A menopausa e o hipotiroidismo são os maiores contribuintes para o desequilíbrio hormonal. Substitua por hormonas bioidênticas se necessitar de reposição hormonal e tome os suplementos alimentares indicados.

7. Não se concentre apenas na dieta. Enquanto tenta perder peso tente incorporar todos os passos expostos com uma dieta saudável, exercício e controlo do stress.

 

Sex | 18.12.09

A DESILUSÃO DOS MEDICAMENTOS PARA A OSTEOPOROSE!

Dr. Luís Romariz

Mulheres, por todo o mundo, estão a ser instigadas a consumir milhões de Euros em medicamentos potencialmente tóxicos que pretensamente as livrarão de osteoporose se o tomarem durante bastante tempo. Até a FDA está alarmada com os efeitos secundários destas drogas que são vendidas como terapia de prevenção.

Os medicamentos em questão são conhecidos como bifosfonatos. O fármaco desta classe que mais vende é o Fosamax da MSD – a mesma farmacêutica que pagava a cientistas fantoches para obter estudos credíveis e que matou várias pessoas com o Vioxx enquanto escondia os riscos cardiovasculares da FDA e dos pacientes. Alguém confia neles? Outros bifosfonatos comuns são o Bonviva e o Actonel.
Em 7 de Janeiro de 2008 a FDA emitiu um aviso sobre os bifosfonatos dizendo que havia uma grave possibilidade de provocarem dores ósseas, musculares e articulares incapacitantes. A FDA disse que estes eventos podem ocorrer após dias, meses, ou anos a tomar estes fármacos. Em Português isto significa que muitas mulheres vão ficar permanentemente com dores incapacitantes. Provocadas por um fármaco que supostamente lhe tiraria as dores...! Claro que tomar estatinas – medicamentos para baixar o colesterol – também pode provocar dores musculares severas. Muitas das vezes junta-se o inútil ao desagradável.
Parem um minuto para pensar. Como é possível que um fármaco supostamente bom para os ossos possa causar dores ósseas incapacitantes? Os bifosfonatos são drogas cáusticas e altamente inflamatórias. Vejamos alguma fisiologia óssea.
Os ossos são remodelados segundo o seguinte padrão; umas células ósseas chamadas osteoclastos iniciam a destruição de uma partícula de osso ao que se segue a entrada em acção de outro tipo de célula, os osteoblastos, que formam nova partícula de osso. Desta forma simples converte-se osso velho em osso novo. Ora, o que os bifosfonatos fazem é destruir os osteoclastos evitando que se inicie o processo de rejuvenescimento ósseo. Aparentemente fica um osso com maior massa. Puro engano pois as biopsias ósseas confirmam que o osso que fica é de péssima qualidade. Mas nos exames de detecção da massa óssea parece que a densidade aumenta. Pura ilusão!
Um crescente e recente fluxo de informação sobres estas drogas está finalmente a vir à luz do dia, incluindo um alarmante aviso da FDA, sobre dor e fibrilação arterial, bem como vários casos de necrose da mandíbula e um estudo que conclui ao fim de 15 anos que o uso generalizado destes fármacos não consegue demonstrar a sua segurança. Claro que a saúde óssea é muito importante; contudo, tomar bifosfonatos não produz ossos mais saudáveis – antes pelo contrário.
Um pouco mais de ciência...! Há dois tipos de osteoporose. A menopausica e a senil. Enquanto a primeira está dependente das hormonas femininas e acontece nos anos que precedem a menopausa e nos que se lhe seguem, a segunda é notória cerca dos 65 anos, atinge ambos os sexos e é vitamina D dependente. Ou seja, na 1ª há um aumento da perda óssea enquanto na 2ª há uma diminuição da formação de osso. Ora querer meter tudo no mesmo saco, e prescrever bifosfonatos para homens e mulheres, independentemente da idade e do estado hormonal parece um pouco abusivo, para ser simpático.
Mais, a saúde óssea é multifactorial, e depende de estrogénios, progesterona e testosterona, bem como da tiróide, da vitamina D, do aporte nutricional proteico e do exercício físico. Esquecer isto é caminhar para a desgraça...
 
 
Qua | 16.12.09

AÇAFRÃO/CURCUMINA

Dr. Luís Romariz

 

Eu ponho forte ênfase numa alimentação à base de produtos não processados, e orgânicos de forma a obtermos uma saúde óptima. Uma maneira de aumentar a saúde e frequentemente esquecida consiste em usar ervas e especiarias.

Uma das espantosas vantagens destes condimentos reside no facto de eles conterem muito poucas calorias, ao mesmo tempo que são densos em vitaminas e minerais.
Na mesma onda, eles são termogénicos o que significa que aumentam naturalmente o metabolismo aumentando o gasto de calorias. Se nos sentimos satisfeitos mais precocemente, então ingerimos menos alimentos. Os estudos mostram que o consume de certas ervas e especiarias antes das refeições potencialmente reduz a ingestão calórica.
Eles promovem o bem-estar geral com antioxidantes mais poderosos do que os contidos nos frutos e nos vegetais.  
Há algum debate acerca da data em que o açafrão foi utilizado pela primeira vez como especiaria. Mas uma coisa é certa. Há milhares de anos que as populações da Índia e da China usam esta especiaria.
De facto, algumas histórias sugerem o seu uso desde há 10.000 anos na Índia. Os antigos Polinésios levavam açafrão com eles nas suas incríveis viagens marítimas através do Pacifico. Portanto, o açafrão tem sido utilizado como especiaria na Europa desde há 700 anos.
Um dos constituintes principais do açafrão é a curcumina, a qual dá a cor amarela ao açafrão. A curcumina pode ser-nos muito benéfica por: 
  • Promover o sistema imune
  • Manter saudável o aparelho digestivo
  • Apoiar a formação de ossos e articulações saudáveis
  • Ajudar a controlar os níveis de colesterol
  • Promover um sangue saudável e um fígado bem activo
 
Provavelmente já  sabe que os antioxidantes são indispensáveis à nossa boa saúde, pois neutralizam os radicais livres. Abrandam assim os sinais e o ritmo do envelhecimento. Os antioxidants dos curcuminoides são:
  • 5 a 8 vezes mais potentes que a vitamina E – e também são mais potentes que a vitamina C  
  • 3 vezes mais potentes que o extracto de grainha de uva ou extracto de pinhão
  • Suficientemente potentes para neutralizar o perigoso radical hidroxil – considerado o oxidante mais activo
O açafrão ajuda a limpar a pele e a manter a sua elasticidade, mantém a normal nutrição cutânea e equilibra os efeitos da flora da pele.
E mais...
Milhões de pessoas usam o açafrão diariamente. Só na Índia, são mais de 500 milhões que o utilizam diariamente. Não será a altura de você lhe dar a oportunidade de ele a poder ajudar?
Ter | 15.12.09

HIPERTENSÃO ARTERIAL

Dr. Luís Romariz

Se ainda não é um em cada três cidadãos com hipertensão arterial, as probabilidades de vir a ser um deles é grande. De facto, o risco de ser hipertenso é maior do que 90% para os cidadãos dos países industrializados, segundo um editorial da prestigiada revista médica Lancet.

O termo médico para tensão arterial alta é hipertensão. Muita gente confunde isto pensando que se trata de tensão elevada sob pressão ou ansiedade. Embora isto possa acontecer a umas poucas pessoas, a ansiedade é uma causa minor de hipertensão. Na realidade não surpreende que a hipertensão esteja a aumentar. De facto, com uma alimentação rica em farinhas e pobre em gorduras saudáveis, bem como com excesso de sal, é propícia à hipertensão.

A pesquisa científica publicada em 1998 no jornal Diabetes relata que dois terços dos pacientes estudados e que eram insulino-resistentes também sofriam de hipertensão arterial. Esta conexão é outro exemplo de como normalizando a insulina e a leptina, bem como a glicemia se pode obter uma normalização da tensão arterial.

Dados suplementares demonstra que se não conseguirmos uma descida apreciável dos valores da tensão arterial durante a noite, corremos um risco aumentado de ter problemas cardiovasculares. Há muitas probabilidades de se tiver hipertensão também tenha diabetes, e que a normalização desta leva ao controlo da tensão arterial.

Uma hipertensão arterial não controlada é um grave problema de saúde pois põe-nos em perigo de AVC (trombose cerebral). É particularmente perigosa pois a hipertensão normalmente não dá sintomas. A triste realidade é, mais de metade das pessoas que tomam medicação para a hipertensão não consegue controlar os valores tensionais. As boas notícias são que 85% dos hipertensos podem normalizar a sua tensão apenas com alterações do estilo de vida.

Qual é o significado dos números? Se já teve a sua tensão arterial medida reparou que há dois números, máxima ou sistólica e mínima ou diastólica

Exemplo:

120/80 - 120 tensão sistólica - 80 tensão diastólica

A tensão sistólica é a máxima e ocorre quando o coração se contrai. A diastólica é a mais baixa e ocorre quando o coração se relaxa.

Ambos os números são importantes, mas se tiver mais do que 50 anos a sistólica é mais fiavel para avaliar uma HTA. De acordo com as mais recentes directivas sobre hipertensao:

Normal

   <120

e <80

Pre-hipertensão

  120-139

 ou  80-89

Nível 1 de Hipertensão

   140-159

 ou 90-99

Nível 2 Hipertensão 

    ≥160

ou  ≥100

     

Fonte: JNC 7 Express, December 2003

 

 

Antes de tomar medicação elimine os dois tipos de alimentos já descritos (grãos e açúcar), ingira ómega-3, normalize o seu peso, controle a sua vida emocional, faça exercício, tome banhos de sol e tome suplementos, nomeadamente o magnésio.

Dom | 13.12.09

Cara Leitora

Dr. Luís Romariz

 Bom dia Dr. Romariz,

Ultimamente, tenho reparado que médicos como o Dr. Oz e Patrick Holford têm sugerido a toma de suplementos de resveratrol. Gostaria de saber qual a sua opinião sobre este polifenol e se aconselha a sua toma, e se sim, qual a dosagem.

Grata pela atenção.

Ascenção

 

O resveratrol é um poderoso antioxidante, mas mais do que isso é capaz de activar as sirtuinas que podem aumentar a longevidade. Eu incluo o resveratrol no polivitaminico que mando preparar para todos os meus pacientes. A dose é de 250 mg.

Dom | 13.12.09

O NUTRIENTE Nº1 PARA A ENERGIA CELULAR

Dr. Luís Romariz

Os suplementos de coenzima Q10 (CoQ10) podem protege ou retardar o aparecimento de fígado gordo (esteatose hepática) relacionado cm a obesidade, segundo os dados e estudos recentes. A suplementação de uma dieta alta e frutose com Q10 manteve os biomarcadores metabólicos estáveis, de acordo cm os dados publicados no Biochemical Pharmacology.

O Q10 tem propriedades similares às das vitaminas, mas dado que é naturalmente sintetizado no nosso organismo não é classificado como tal. Há um crescente manancial de evidência científica que mostra os benefícios para as pessoas que sofrem de angina de peito, doença coronária e hipertensão arterial.

Este suplemento é vital para as pessoas que tomam estatinas pois ultrapassam o efeito negativo destes fármacos sobre a produção de Q10.

 

O meu comentário a esta publicação vai no sentido de corroborar que o Q10 é vital para as funções energéticas diárias das nossas células, bem como para o aproveitamento de energia a partir dos alimentos. O Q10 também funciona como antioxidante intracelular, sendo particularmente útil na prevenção da lesão oxidativa do ADN.

O Q10 foi objecto de milhares de estudos, e para alem de minorar o figado gordo também:

·        Ajuda a produzir mais energia celular

·        Aumenta a saúde cardiaca

·        Actua como antioxidante protegendo dos radicais livres

·        Diminui os sinais do envelhecimento

·        Ajuda a manter a tensão arterial nos níveis normais

·        Melhora o sistema imune

·        Apoia o sistema nervoso

Para além disto o Q10 é vital para quem é obeso ou necessita de tomar medicação para baixar o colesterol.

Qui | 10.12.09

DIETA AJUDA A FORMAR CÉLULAS CEREBRAIS

Dr. Luís Romariz

Uma alimentação rica em polifenois e ómega3 demonstrou ser capaz de ajudar a estimular a produção de novas células cerebrais (células tronco cerebrais) e de reduzir a deterioração das existentes.   A experiência equivalente a cinco anos de vida humana possibilitou aos cientistas a análise de regiões cerebrais específicas associadas à formação de células estaminais.

Os cientistas constataram que esta dieta é capaz de induzir a regeneração de novas células no cérebro adulto, e capaz de reforçar as conexões neuronais afectadas pela idade e por processos neurodegenerativos como a doença de Alzheimer, bem como poder proteger os neurónios da lesão oxidativa e neurológica, dois fenómenos que estão na origem de muitas doenças que afectam o sistema nervoso central.

Os polifenois são componentes comuns dos frutos e vegetais. O melhor conhecido destes compostos são os favonoides, tais como do extracto da grainha de uva, chá verde, resveratrol e quecertina. O DHA é um òmega3 com capacidade de apoiar a saúde cerebral, pois é um dos seus principais constituintes.

Este estudo mostra que uma dieta adequada, que inclua fruta fresca, vegetais, e ácidos gordos ómega3, tem uma influência positiva na formação de novas células cerebrais. Por outro lado, dietas em que estes nutrientes estão em falta e ricas em açúcares deterioram o cérebro. Convém não esquecer que a doença de Alzheimer é a 3ª forma de diabetes!

Ter | 08.12.09

SERÁ QUE O COLESTEROL ELEVADO CAUSA DOENÇA CARDÍACA? Resumo de uma entrevista com o Dr. Uffe Ravnskov

Dr. Luís Romariz

Este cientista, que trabalhou em vários departamentos médicos na Dinamarca e na Suécia iniciou a sua carreira académica no departamento de nefrologia do Hospital Universitário de Lund, e sempre suspeitou da teoria em que o colesterol é a génese da aterosclerose, desde o seu início. As notas em itálico são da responsabilidade do autor deste blogue. Pouco tempo após (1962) a sua licenciatura em medicina ele tomou conhecimento desta pretensa ligação, mas o facto de ainda ter muito presentes os seus conhecimentos em bioquímica levou-o a desconfiar desta causalidade pois o colesterol é uma das moléculas mais importantes do nosso organismo, e indispensável para a formação das células e para a produção de hormona sexuais e anti-stress, bem como para a formação de vitamina D.

A grande questão é: se a teoria do colesterol estiver errada será que as suas terapias são desnecessárias? Absolutamente. Segundo o Dr.Ravnskov, estes tratamentos são desnecessários e insignificantes, dispendiosos, e transformaram milhares de pessoas saudáveis em potenciais doentes. O benefício das estatinas é trivial, e apenas foram observados nos homens que já tiveram um evento cardíaco. Mais, os seus efeitos secundários são ignorados ou habilmente depreciados, sendo que pesquisadores independentes encontraram efeitos secundários mais graves e em maior número. Se eles tiverem razão isso significa que há milhões de pessoas saudáveis que consideram as suas dores musculares, a sua má memória, a sua falência sexual, e o cancro como consequência do envelhecimento, pensando os seus médicos o mesmo. O risco de cancro é alarmante. Quer os estudos epidemiológicos, quer os estudos em animais mostram que o colesterol diminuído predispõe a cancro. Aliás, a curva da mortalidade atribuível ao colesterol é uma curva em jota, decrescendo até determinado limite e aumentando com os valores baixos de colesterol. O uso generalizado de estatinas explica em parte porque é que não se assistiu a uma diminuição na mortalidade por cancro, após a diminuição do hábito de fumar.

As companhias farmacêuticas comercializam agressivamente as estatinas e nas maiores doses possíveis. Por exemplo, o Zarator é levado à sua dose limite de 80 mg mas leva a mais efeitos adversos e a um custo incomportável. No estudo SEAS, a mortalidade não se alterou, mas houve um aumento estatisticamente significativo no número de cancros. Pior foram os resultados do estudo ENHANCE, no qual a aterosclerose em doentes com hipercolesterolemia familiar progrediu mais entre os que tiveram o colesterol mais diminuído. Vejamos, considerando a idade e a existência de um ataque cardíaco prévio, a expectativa de sobrevivência a cinco anos é de 90%. Tomando uma estatina diariamente esta aumenta para 92% - irrelevante – mas expõe a graves efeitos adversos. Um em cada 72 homens que tomem estatinas durante cinco anos, terá o benefício de evitar um evento cardíaco - que até pode não ser fatal – o que convenhamos é muito pouco.

Na Suécia há uma “revolução” em curso. Uma médica de família tratou a sua própria obesidade com uma dieta baixa em hidratos de carbono e elevada em gordura animal. Quando sugeriu esta dieta a uma paciente sua foi processada por má prática médica. Após dois anos e uma longa investigação, ela foi ilibada das acusações por se considerar que agiu de acordo com a evidência científica. O que é facto é que os médicos têm medo, especialmente nos grupos de risco, de não prescreverem estatinas e poderem ser processados. Estranhamente não é o sonho que comanda a vida, mas sim o medo!

Mas não é tudo. Sachdeva et al relataram que o colesterol médio em 137.000 pacientes com enfarte agudo do miocárdio era menor que o normal. Poucos meses depois Al-Mallah et al relataram que a mortalidade era o dobro entre os que tinham o menor colesterol.

Recentemente peritos da WHO e da FAO revelaram que não há evidência que a gordura saturada provoque doença cardíaca, diabetes ou obesidade. Aliás, o contrário seria muito estranho pois temos consumido gordura animal durante os milhões de anos da nossa evolução e ainda cá andamos!

A própria indústria farmacêutica está espantada com os resultados e começa a atribuir os sucessos parciais à possível acção anti-inflamatória das estatinas. Diga-se que estes fármacos baixam imenso a coenzima Q10 que é crucial para os músculos e para o coração. A MSD está a desenvolver uma vitamina B3 sem reacção de vasodilatação, pois está cada vez mais provado que essa é a melhor estratégia para normalizar as lipoproteinas. 

Seg | 07.12.09

A TIRÓIDE TEM COMPANHIA; A INSULINA TAMBÉM TEM IMPACTO NA TEMPERATURA CORPORAL

Dr. Luís Romariz

Uma nova descoberta mostra que a insulina pose ser importante para a regulação da temperatura corporal, o que deve ser considerado por quem frio desmesurado ou tem problemas da tiróide.

A ideia que a insulina tem actividade cerebral para regular a temperatura é um achado novo com implicações no metabolismo. Os pesquisadores descobriram surpreendentemente receptora insulínicos em células do hipotálamo o qual regula a temperatura corporal. Então eles provaram que a insulina interage com essas células enviando mensagens para os nervos que activam o tecido adipose castanho responsável por produção de calor.
Varias estratégias para emagrecimento foram pensadas de forma a manipular os estímulos na gordura castanha (subcutânea). Esta descoberta é única porque implica que o normal funcionamento da insulina tem um profundo impacto na homeostase do calor – o qual, por definição, deverá melhorar a função tiróide.
Isto tem implicação na insulino resistência pois neste caso há um abrandamento do metabolismo e da temperatura. O resultado é o mesmo que no hipotiroidismo.
É provável que os dois sistemas funcionem mal simultâneamente, pelo que pode haver uma solução singular para as pessoas que têm frio desmesurado porque têm o seu metabolismo em hibernação.

Pág. 1/2