Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dom | 31.05.09

O ELO ENTRE PROBIÓTICOS E PESO

Dr. Luís Romariz

Os suplementos probióticos quando utilizados no 1º trimestre da gravidez ajudam as mulheres a perder gordura após o parto, segundo novos estudos.
Os cientistas demonstraram que os suplementos com Lactobacillus e Bifidobacterium estavam associados a uma menor obesidade central, definida como um índice de massa corporal (BMI) ≥ 30 e a uma cintura ≥ 80 centímetros. As mulheres iniciaram os suplementos durante o 1º trimestre da gravidez e continuaram até deixar de aleitar. Os probióticos são organismos vivos que conferem benefícios de saúde aos seus consumidores. Estudos prévios descobriram que as populações microbianas intestinais são diferentes entre os obesos e os magros, e que quando os obesos perdem peso a sua microflora intestinal também se altera. Devemos então correr para as prateleiras dos supermercados e comprar tudo quanto diz ter Lactobacillus e Bifidobacterium? Claro que não, pois inclusivamente não basta esses microrganismos estarem presentes; têm de ter concentrações eficazes e conseguir colonizar os intestinos, o que raramente acontece.

Sab | 30.05.09

O SEXO E A _IDADE

Dr. Luís Romariz

A idade deixa as suas marcas nos nossos corpos, mente, e emoções. Algumas destas alterações são no bom sentido, enquanto outras são para pior. O sexo não é excepção. Muitas das alterações físicas que acompanham o envelhecimento têm efeitos notórios na sexualidade. As preocupações relacionadas com o sexo e o envelhecimento podem incluir a estimulação, erecções menos vigorosas, diminuição da lubrificação vaginal, e orgasmos menos intensos. Medicamentos e doenças como a diabetes, hipertensão arterial, doença cardíaca, e artrite – também podem criar dificuldades sexuais. Mas podemos ultrapassar estes desafios e desfrutar uma melhor sexualidade.

Sexo, é uma palavra que evoca um caleidoscópio de emoções. Desde amor, excitação, e ternura até ansiedade e desapontamento – as reações são tão variadas quanto a sexualidade. È possível ultrapassar esta fase da nossa vida, desde que saibamos o que nos espera, estejamos dispostos a não deixar acontecer, e tomemos as decisões conducentes a um normal desempenho sexual. Ao nível puramente corporal, o sexo é apenas mais uma actividade sob intenso controlo hormonal destinada a procriar e a perpetuar a nossa espécie. Claro que a nossa mente fantasia e molda a nossa resposta sexual, subestimando o poder das hormonas. Estas são o combustível e a ignição para uma sexualidade eficaz, pese embora o facto da nossa satisfação sexual e a nossa relação com o/a parceiro/a serem factores-chave na capacidade de desenvolver e manter uma vida sexual activa. Claro que as consequências da   menopausa e da andropausa terão de ser corrigidas, mas as alterações significam muitas vezes que a intensidade do sexo na juventude dá lugar a uma resposta mais discreta na meia-idade, baseada na aquisição de conhecimento e confiança mútuos, melhor comunicação, e menor inibição. Ainda assim poderão ser os melhores anos da nossa vida sexual!

Sex | 29.05.09

OS OBESOS NECESSITAM DE ANTIOXIDANTES EXTRA PARA FAZER EXERCÍCIO

Dr. Luís Romariz

Um estudo recente efectuado em adolescentes mostra que o exercício aumenta o stress oxidativo devido à utilização deficiente do oxigénio extra durante o treino. Parece que este achado se aplica a todos que têm sobrepeso, e tem um grande impacto pois os obesos são constantemente bombardeados com a necessidade de efectuar exercício. Contudo, fazendo-o na ausência de antioxidantes aumentará a lesão tecidular e sua consequente inflamação, resultando numa pobre resposta ao exercício que dificilmente produzirá perda de peso.

Os humanos têm sistemas de produção energéticos avançados, no entanto ainda há ligeiras perdas. Isto significa que um certo número de radicais livres é produzido à medida que criamos energia. Nas pessoas saudáveis, esses radicais livres são neutralizados pelos antioxidantes de forma a não haver dano celular. Quando treinamos estamos a aumentar a utilização de oxigénio e a produção de energia – um teste aos nossos sistemas. Se tivermos antioxidantes em quantidade necessária nada de mal acontecerá durante o treino. Neste estudo os cientistas avaliaram muitos parâmetros nomeadamente a insulino-resistência, a leptina e a adiponectina, marcadores inflamatórios, e marcadores do stress oxidativo. As raparigas com sobrepeso tinham estes marcadores aumentados logo à partida.

Os cientistas tinham postulado que os problemas de base em relação à gordura e à insulina seriam amplificados pelo exercicio e portanto aumentariam o stress oxidativo. Para surpresa verificaram que isso se devia a um ineficaz consumo aumentado de oxigénio. O coenzima Q10 é vital para os estágios finais da utilização intracelular de oxigénio. Os antioxidantes ajudam de forma geral a reutilizar o glutatião – a espinha dorsal do nosso sistema antioxidante.

Precisamos de oxigénio para viver, mas temos de ser capazes de o utilizar eficientemente. Necessitamos de antioxidantes para consumir o oxigénio de uma forma saudável. Isto é especialmente verdadeiro para as pessoas com sobrepeso que tentam fazer exercício físico para ficar em forma e perder peso! 

Qui | 28.05.09

QUANTO DEVEMOS DORMIR?

Dr. Luís Romariz

Esta é uma questão à qual é difícil responder. Pensemos num estudo para determinar esta quantidade. Teríamos de recrutar cerca de 100 000 participantes, os quais distribuiríamos de forma aleatória por “clusters” de 6;7; 8; etc. horas de sono. Depois, teríamos de monitorizar o seu estado de saúde durante décadas, até chegar à quantidade perfeita para um máximo de saúde. Tal estudo é impraticável!
Então o que conseguimos é através de estudos observacionais que, após seguirem as pessoas durante vários anos, determinam associações estatisticamente significativas entre os hábitos de sono e a saúde. Assim, na maior parte dos estudos há uma concordância sobre o facto de que quanto mais nos distanciarmos da média de sono entre seis e oito horas, mais riscos de morte prematura corremos.

Um excelente estudo oriundo da Universidade da Pensilvânia determinou que as pessoas que dormiam menos de oito horas tinham melhores desempenhos cerebrais em relação aos que dormiam mais. Assim, talvez devamos dormir cerca de oito horas se tivermos como objectivo uma mente clara, mas de seis a sete horas se o nosso objectivo for a longevidade!

QUAL É A MINHA ESTRATÉGIA? Por norma, eu durmo sete horas nos dias de trabalho e cerca de oito horas nos fins-de-semana. Após acordar tomo um desintoxicante em jejum e vou fazer 30 minutos de tapete a uma média de 6 km/hora. De seguida tomo um pequeno-almoço substancial e com proteínas. 

Qua | 27.05.09

CANCRO E VITAMINA "D"

Dr. Luís Romariz

"No estudo recentemente publicado no Journal of the National Cancer Institute usou-se 400 UI de vitamina D – uma quantidade que sabemos não afectar os níveis desta vitamina. Esta pesquisa é decepcionante. Em contraste num estudo da Universidade de Creighton usou-se 1 100 UI de vitamina D. As pessoas precisam de níveis desta vitamina entre 60 e 80 ng/ml de forma a alcançar benefícios anti-cancro, pois 400 UI mal dão para fazer a prevenção do raquitismo. No Inverno necessitamos de cerca de 4000 a 5000 UI por dia. A vitamina D também chamada de “vitamina solar” por causa da na sua origem estar envolvida a radiação UVB, tem a sua maior fonte na exposição ao sol. De facto, cerca de 20 minutos de banho de sol – corpo inteiro – faz fabricar cerca de 20 000 UI, e a partir deste nível o nosso organismo cessa a sua produção. Ora, esta deve ser a quantidade que a natureza planeou para nós. Muito longe das 400 UI que são recomendadas.

Faça um teste e certifique-se dos seus níveis!

 

Ter | 26.05.09

A VITAMINA AUMENTA A IMUNIDADE

Dr. Luís Romariz

Um estudo recente demonstrou precisamente como é que a vitamina “E” compensa a diminuição da função imune relacionada com o envelhecimento. Ela efectua isto corrigindo os problemas de comunicação entre as células envelhecidas. É absolutamente fantástico que uma vitamina possa fazer isto, pois sabemos que são precisos muitos elementos – Vitamina “D”, Vitamina “C”, zinco, e complexo B - para ter uma saudável função imune. A qualidade da saúde da nossa população mais envelhecida poderia ser melhorada com uma suplementação nutricional básica.

O ridículo e persistente ataque à vitamina “E” faz parte da estratégia das grandes farmacêuticas em prol do uso de estatinas para combater o “colesterol”. Espontaneamente, os médicos não aconselham esta vitamina aos seus pacientes pois estão convencidos da sua inutilidade. O que é facto, é que os idosos estão muito mais sujeitos a infecções graves do que outros grupos etários.
Neste estudo –abstract – não se revela qual o tipo de vitamina “E” utilizado. Temo que os autores apenas tenham usado o alfa-tocoferol, sendo nesse caso uma melhoria da função imune muito redutora pois como já tenho afirmado por inúmeras vezes as vitaminas são complexos, e neste caso a vitamina “E” é formada pelo tocoferol alfa, beta e gama; e pelo tocotrienol alfa, beta e gama. Este conjunto dará todas as garantias de estarmos perante a forma como a “E” se apresenta na natureza. Caso contrário estaremos não a falar de uma vitamina mas sim de um químico isolado (alfa-tocoferol).
As nozes, as amêndoas, as outras sementes e o óleo de arroz (oriza) contêm todo o complexo “E”. Na falta de melhor, invistam nestes!

Ter | 26.05.09

ALERGIAS NASAIS

Dr. Luís Romariz

Antes de utilizar dispendiosos medicamentos antialérgicos, talvez possa querer experimentar um tratamento alternativo, inócuo e barato, que funciona: a irrigação nasal com água salgada morna duas vezes ao dia parece conseguir efeitos muito profundos nas rinites atópicas.
No início da época primaveril das alergias a pólenes, o mesmo pó amarelado que cobre o seu carro também entope as suas passagens aéreas despoletando reacção alérgica. A irrigação nasal simplesmente lava as passagens aéreas removendo os pólenes. Muitas instituições médicas como a prestigiada clínica Mayo advogam esta terapia.
Num estudo de Janeiro de 2009 e com 200 pacientes, todos eles revelaram um alívio da sintomatologia com duas irrigações diárias. Este tipo de terapia também já provou o seu valor na prevenção dos resfriados. O meu conselho vai no sentido de usar sal marinho não refinado e água filtrada.

Seg | 25.05.09

POLIVITAMINAS E LONGEVIDADE

Dr. Luís Romariz

Um novo estudo com 586 mulheres mostrou pela primeira vez que a ingestão regular de multivitaminas aumenta o comprimento dos telómeros em cerca de 5.1%. Esta é uma descoberta anti-envelhecimento muito significativa pois o comprimento dos telómeros limita a nossa capacidade de rejuvenescimento (limite de Hayflick).

 Os telómeros estão localizados da ponta dos cromossomas e protegem-nos   de serem destruídos.   À medida que as células se replicam o comprimento dos telómeros é encurtado, e as células encontram aí o seu limite de renovação.  È por causa deste fenómeno que teoricamente a nossa longevidade é de 120 anos. Se é certo que algumas substâncias tais como os derivados da vitamina A são capazes de alterar este limite a nosso favor, esta é a primeira vez que se demonstra o efeito benéfico das multivitaminas a este nível.
O estudo também comprovou que uma ingestão aumentada de vitamina C e vitamina E também exercia este efeito.
O que devemos questionar é o que consideramos um multivitamínico. As vitaminas ocorrem naturalmente em complexos. Por exemplo a vitamina C – complexo C – ocorre juntamente com a rutina e outros elementos. A vitamina E ocorre sob a forma de tocoferois e tocotrienois, e dentro destes em unidades alfa, beta e gama. Se ao desenhar um polivitamínico não se tiver isto em consideração, e reduzir a vitamina C a ácido ascórbico ou a vitamina E a alfa-tocoferol, vai-se produzir desequilíbrios em que será pior a emenda do que o soneto.
Se bem desenhado, poderá acrescentar anos à vida e vida aos anos!
Dom | 24.05.09

PODERÁ O CÁLCIO PIORAR OS OSSOS?

Dr. Luís Romariz

Muitos de vós sofrem ou poderão vir a sofrer de osteoporose. Mas os medicamentos desenhados para a tratar são perigosos e cheios de efeitos secundários. Felizmente, há terapias seguras que são alternativas válidas aos tratamentos da “moda”.

A osteoporose é um problema muito comum, caracterizada pela perda na qualidade dos ossos que se apresentam porosos e frágeis, o que aumenta o risco de fracturas, particularmente nas ancas, vértebras e punhos. De facto, afectará metade das pessoas que estejam a ler esta crónica.

Há no entanto dois mitos acerca desta doença que é altamente invalidante. O primeiro tem a ver com o conceito errado que a osteoporose se deve a uma falta de cálcio. A segunda passa pela ideia de que o tratamento passa pelos bisfofonatos (fosamax, actonel, bonviva) que são actualmente a terapia da moda. Esta será a pior das estratégias pois embora haja aumento da massa óssea nas densitometrias, a qualidade do osso – na biopsia – é de muito má qualidade, e a terapia é um veneno! Estas drogas matam as células ósseas responsáveis pela destruição óssea normal para o processo de regeneração – os osteoclastos. Quando estas células morrem só ficam os osteoblastos, os quais são formadores de osso. Assim, ficamos com um osso mais denso, mas NÂO mais forte. Na realidade os ossos ficam mais fracos, e a longo prazo aumenta o risco de fracturas ósseas. Os ossos passam permanentemente por um processo de remodelação em que a uma fase de destruição se segue outra de construção de osso novo. Ambas as células são necessárias, poise não houver destruição óssea também não haverá construção nova. Outro fármaco a evitar são os corticoesteroides (tratamento da asma) pois aumentam o risco de osteoporose.

Uma das melhores estratégias para evitar a osteoporose consiste em:

·       Formar vitamina D a partir dos raios solares

·       Efectuar exercícios com carga

·       Comer alimentos ricos em proteína – a matriz óssea é feita de proteína – e muitos legumes e frutos pois são excepcionalmente ricos em minerais (cálcio incluído) e corrigem a acidose metabólica de baixo grau induzida pela moderna alimentação, a qual ajuda a dissolver os ossos.

·       Ingerir sal marinho não refinado, pois tem todos os minerais necessários – o osso é formado por cerca de uma dúzia de minerais.

·       Suplementar a alimentação com vitamina K2, a qual demonstrou aumentar a densidade óssea.

Convém não esquecer que a optimização hormonal – testosterona – está implicada na formação de um osso de boa qualidade, e que a inflamação de baixo grau – tratável com óleos ómega-3 – ajuda a lesar os ossos.

Sex | 22.05.09

A GLUCOSAMINA PROMETE REPARAR A PELE

Dr. Luís Romariz

Se já começa a ver sinais de envelhecimento prematura da pele, saiba que pode haver remédio. O foto-envelhecimeto pode lesar os melanócitos, as células responsáveis pela produção do pigmento que dá cor à pele – a melanina. Isto conduz a manchas e outras alterações na pele. A glucosamina uma substância natural encontrada nas articulações e nos ossos, conjuntamente com a niacina pode reverter este processo e devolver ao rosto o seu esplendor.

Pág. 1/4