Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dr. Luís Romariz

Aumento da longevidade e rejuvenescimento

Dom | 26.07.09

CÓLICA RENAL

Dr. Luís Romariz

Cerca de 10-15% dos adultos serão diagnosticados com cálculos renais durante a sua vida. Uma vez que se tenha uma crise de cólica renal, a hipótese de recorrência é cerca de 70 a 80%, e quanto mais novo for na data da 1ª crise, maior será o seu risco de recorrência. Tipicamente, uma pedra no rim é o resultado de uma super saturação de minerais e sais ácidos na urina, tais como cálcio e ácido úrico, os quais cristalizam e formam massas sólidas. Isto pode acontecer por não ingerir água suficiente, e se a urina for ou muito ácida ou muito alcalina. Certos medicamentos também podem promover a formação de cálculos urinários, nomeadamente o Lasix (furosemida), e o Xenical, entre muitos outros. Muitos cálculos contêm cristais de vários tipos, com o cálcio como ingrediente-chave. Contudo, normalmente predomina um tipo de cristais, e a sua determinação ajuda ao diagnóstico da causa subjacente. O tipo mais frequente é o oxalato de cálcio, compreendendo 75% de todos os casos. O oxalato encontra-se nalguns frutos e vegetais, mas o fígado é o grande produtor. Se pensa que a melhor estratégia para evitar as crises é abolir a ingestão de cálcio, essa não é uma boa ideia, porque normalmente o cálcio da dieta liga-se ao oxalato, e ajuda a excretá-lo pela urina. Outros tipos de cálculos e as causas subjacentes incluem:

·        Estruvite, mais frequente nas mulheres, são na maioria o resultado de infecções urinárias.
·        Ácido úrico, são um produto do metabolismo das proteínas
·        Cistina, representam uma pequeníssima percentagem
Dois factores de risco no desenvolvimento de cálculos renais incluem a hipertensão arterial e os problemas digestivos (dispepsias). Normalmente não há sintomatologia até o cálculo se mover para o uréter – o tubo que liga o rim à bexiga. Nesse caso são comuns os seguintes sintomas:
  • Dor no flanco ou lombar, debaixo das costelas
  • Crises dolorosas de 20 a 60 minutos, variando em intensidade
  • “Ondas” de dor irradiando do flanco ou região lombar para o baixo abdómen e testículo
  • Urina turva, sanguinolenta ou com mau odor
  • Dor ao urinar ou persistência da vontade de urinar – urgência em urinar
  • Náuseas e vómitos
  • Febre e arrepios indicam uma infecção do trato urinário
A dor é resultante da distensão dos tecidos acima da localização da pedra, dado que ela bloqueia a passagem da urina. Para o diagnóstico é importante a recolha e análise de qualquer cálculo, bem como uma urina de 24 horas e uma radiografia. Há dois alimentos que contribuem de forma particular para a formação de oxalatos – a soja, e a cerveja. Outros podem incluir:
  • Espinafres
  • Chocolate
  • Morangos
  • Trigo
  • Frutos secos
Uma dieta com elevado teor em açúcar também pode contribuir para a formação de pedra dado de o açúcar interfere com a absorção do cálcio e do magnésio. Os alimentos processados – ricos em sal – aumentam o teor de cálcio e de oxalato na urina.
Provavelmente a medida mais eficaz para a prevenção desta patologia consiste na ingestão abundante de água. Uma boa maneira de saber se estamos bem hidratados é verificar a coloração da urina – que deve variar entre um quase transparente até uma ligeiro amarelado. No Verão juntam-se frequentemente dois factores de risco: o calor e a consequente desidratação e a ingestão de cerveja. Cuidado com os refrigerantes os quais estão carregados de fósforo. Finalmente, saiba que embora possa parecer paradoxal, o exercício tem acção preventiva na formação de cálculos.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.