Não ponha na pele algo que não seja capaz de ingerir
Mais informações:
Tel.: 22 4220111
Aumento da longevidade e rejuvenescimento funcional biológico, isto é, dar mais anos à vida e mais vida aos anos.

Envie a sua questão

As respostas às suas dúvidas atendem a diversos critérios. Neste serviço, não serão consideradas válidas questões com falta de enquadramento ou situações de emergência que só possam ter encaminhamento imediato.

E-mail: anti-envelhecimento@sapo.pt

Posts recentes

HORMONAS BIOIDÊNTICAS

QUER SABER SE A SUA TIRÓI...

ATAQUE CARDÍACO - Factore...

ELECTRÕES, TOXINAS, E DOE...

EXERCICIO DE CADA DIA … N...

DIETA H.C.G.: EFICAZ? DIS...

A VITAMINA C REJUVENESCE ...

ATAQUE À TIRÓIDE

FAÇA CRESCER TECIDO CEREB...

ESCORBUTO SUBCLÍNICO

Arquivo

Novembro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Consultas em Lisboa

Consultas de Saúde da Mulher (hormonas bioidênticas) e Saúde do Homem:


Marcações pelo Tel. 911 506 033


Para aceder aos cosméticos biológicos clique na imagem à esquerda

Domingo, 4 de Abril de 2010

PROTECÇÃO SOLAR (pela Drª. Isabel Figueira)

Se a exposição solar excessiva tem sido conclusivamente relacionada com algumas formas de cancro de pele e sinais de envelhecimento precoce, a foto sensibilidade e as insolações, também são reconhecidas como um factor indispensável para a produção de vitamina D, como terapia para algumas patologias como a psoriase e dermatites e como uma acção antidepressiva por ser estimulante e proporcionar aumento do bom humor.

Porém, essa exposição deve ser acompanhada de cuidados e responsabilidades.

Então, sabendo dos riscos e benefícios da luz solar, é preciso saber como e quando se proteger - Alem do uso de roupas e acessórios adequados, como chapéu e óculos com lentes anti-UV, antes de elaborar qualquer protocolo de tratamento anti-aging, é preciso haver consciência para o uso de protectores solares.

Os protectores solares que têm representado uma estratégia um pouco controversa. Contudo, recentes estudos prospectivos demonstram que, se usados de forma correcta, representam a principal ferramenta anti-aging.

De notar que a preocupação com a exposição solar deve ir além da ocorrência de queimadura. Uma queimadura de sol deve-se a uma dose excessiva de radiação UVB. Essa radiação liberta mediadores bioquímicos, que se difundem nos vasos sanguíneos e causam dilatação, edema e proliferação da célula basal. Uma queimadura solar não é portanto um sinal de aviso, mas, ao contrário, o sinal de dano à pele. Depois de cada queimadura, a pele remove as células danificadas através da esfoliação, em extensão dependente do grau de dano causado. A lesão celular crónica inclui envelhecimento da pele e cancro de pele. As queimaduras solares, sobretudo se ocorrem durante a juventude, constituem um dos factores de risco classicamente implicados no desenvolvimento do melanoma.

A radiação solar é composta por raios ultravioleta A (UVA) e raios ultravioleta B (UVB).

Os UVA ao penetrarem mais profundamente na pele que os UVB, agem indirectamente criando radicais livres de oxigénio, danificando a pele sem despertar a sua sensibilidade. São responsáveis pela pigmentação e apresentam 2 componentes: pigmentação imediata (IPD), que ocorre poucas horas após a exposição e pigmentação retardada (PPD), evidente alguns dias mais tarde. Os UVB é que afectam a epiderme, dando origem às queimaduras solares, sendo durante alguns anos o factor primariamente apontado como estando na origem do tumor, sendo as consequências perceptíveis só a longo prazo. Os primeiros protectores protegiam apenas contra os UVB. A aplicação desses filtros permitia maiores tempos de exposição solar, uma vez que quem os usava “não se queimava” tão facilmente, conduzindo por outro lado a uma exposição maciça, incontrolada e “silenciosa” à radiação UVA durante vários anos...

Este efeito, aliado ao facto de os UVA serem 20 vezes mais abundantes na natureza que os UVB, possuindo a capacidade de atravessar superfícies vidradas e sendo pouco afectados pela latitude, altitude ou pelas condições atmosféricas, conduziu, de acordo com alguns estudos, a um aumento paradoxal da incidência de melanoma em indivíduos que aplicavam regularmente protectores solares. Assim, uma protecção eficiente deve, além de proteger a pele contra as queimaduras e os melanomas (UVB), proteger a pele dos principais sinais do envelhecimento cutâneo, tais como perda de elasticidade, flacidez e discromias (UVA).

 

A foto protecção faz-se de forma natural pela pigmentação adquirida, pelo espessamento da camada córnea e pela produção do ácido urocanico (suor); e de forma artificial através dos protectores solares.

O aconselhamento de um protector solar apropriado em função do tipo de pele e intensidade da radiação é desde 2006/2007 mais fácil devido implementação do sistema europeu de uniformização da etiquetagem, que obrigou as marcas a exibir rótulos mais informativos, nomeadamente quanto às precauções e riscos associados à exposição solar e a inclusão de instruções claras quanto ao modo de utilização. Por outro lado, tiveram que deixar de conter designações erróneas como «ecrã total» ou «protecção total». Para que os protectores contenham uma protecção efectiva contra os danos solares, a Comissão Europeia defende que todas as fórmulas, sem excepção, devem proteger não só contra os raios UVB como também contra os raios UVA e que deve revelar uma protecção UVB-UVA balanceada por uma razão mínima ou igual a 3 (etiquetada com o logo “UVA”). De salientar que a maioria dos fabricantes de protectores solares de prescrição médica disponíveis no mercado português, já respeitam actualmente este princípio da “proporcionalidade”, ao igualarem os índices de protecção contra os UVA e UVB nos seus produtos.

Por definição, um protector solar é uma preparação destinada a entrar em contacto com a pele humana, com o intuito exclusivo ou principal de protecção contra a radiação UV, absorvendo, dispersando ou reflectindo a radiação;

Na escolha do protector solar a utilizar à vários factores a ter em conta, entre os quais, a sua composição e a sua reologia.

Há três tipos de filtros solares: os "físicos", os "químicos", os "naturais"

Os físicos (como o dióxido de titânio, o óxido de zinco ou uma combinação de ambos), muitas vezes chamados de bloqueadores solares, funcionam como reflectores - São substâncias insolúveis que formam uma camada protectora branca sobre a pele. Ao serem impermeáveis são considerados toxicologicamente seguros. São indicados preferencialmente para aumentar o desempenho das formulações, especialmente as destinadas para peles sensíveis e infantis

Os químicos são moléculas aromáticas conjugadas com um grupo carbonil altamente reactivas. São sem duvida mais activos que os químicos. Quando a luz UV atinge uma dessas moléculas, causa excitação fotoquímica, e é estimulada para um nível mais alto de energia. Quando a molécula volta ao estado original, o excesso de energia absorvida é emitido como luz num estado de energia mais baixo e calor. Como a absorção da radiação solar por parte dessas moléculas diminui conforme o tempo de exposição, a reaplicação dessa formulação após 1,5 horas de exposição torna-se necessária. Uma boa molécula absorvente deve ser quimicamente estável, toxicologicamente segura e também apresentar largo espectro de acção. Cada molécula actua de forma diferente na absorção de radiação em comprimentos de onda específicos. Num mesmo produto estão geralmente associados mais do que um agente químico, para aumentar o poder de protecção. A incidência de alergias desencadeadas pelo uso de filtros solares com agentes químicos advém do número de associações e pela necessidade de aumentar a quantidade de agentes químicos nas formulações. A benzofenona tem sido particularmente apontada como desencadeadora de reacções alérgicas, não se sabendo a quantidade que é absorvida na corrente sanguínea, mas traços da substância podem ser encontrados na urina após o uso.

Recentemente, tem havido um aumento de atenção em relação à possibilidade de efeitos de saúde adversos associados aos compostos químicos presentes nos filtros solares. Há vários estudos que apontam nesse sentido, como o artigo do Dr.Kerry Hanson, que conclui que os filtros podem causar mais danos que benefícios e que quando penetram na pele podem reagir com a luz e causar danificar a sua camada inferior, e alem disso, contêm absorventes de UV que podem gerar compostos nocivos que atacam as células da pele. Outros apontam para a toxicidade estrogenica dos filtros químicos e a sua presença na urina. O principal risco é pelo facto de que os estrogeneos químicos são capazes de minimizar a actividade hormonal de um estrogeneo real, e quando no organismo, os receptores reconhecem o estrogeneo químico como estrogeneo, de forma que os resultados podem ser a feminização dos tecidos. Outros ainda relatam que os maiores riscos de melanoma ocorreram nas regiões onde o uso de filtro solar era mais prevalente, independentemente da exposição ao UV.

No anexo VII da directiva de cosmética europeia estão inscritos na lista positiva 26 filtros químicos, que passaram por todos os testes de tolerância e segurança impostos, alem de provarem não passar a barreira cutânea.

Os naturais (extracto de camomila, de aloé vera, óleo de coco, …) por si só não asseguram uma protecção solar adequada, mas podem e devem ser incorporados na formulação do filtro, assim como os capturadores de radicais livres (vitamina E, betacaroteno, flavenoides, NAC, Q10, gingko biloba, …), que vão proteger as moléculas biológicas dos efeitos dos raios UVA em particular.

 

A associação de anti-inflamatórios é perigosa, uma vez que diminui o eritema, podendo haver tendência para uma exposição maior. Estes devem-se reservar aos produtos pós-solares.

 

O outro aspecto a ter em conta é o tipo de veículo empregue na sua formulação.

Os óleos são a forma mais simples de aplicar filtros solares. Apresentam como principal vantagem serem resistentes à água, mas, devido à sua fluidez, formam camadas finas e transparentes, o que reduz a eficácia do produto como bloqueador. Além disso, esteticamente falando, podem dar uma sensação gordurosa e desagradável. São normalmente usados como bronzeadores (com FPS mínimos).

As emulsões (leites, espumas e cremes) são o veículo mais comum e uma das melhores formas devido à sua versatilidade. Proporciona uma excelente película foto protectora e tem uma conotação elegante. As emulsões agua em óleo apresentam um alto poder de protecção.

Os géis devem estar reservados aos cosméticos para homens. Apresentam como principal vantagem a sua transparência e aspecto exclusivos. No entanto, há grandes desvantagens que limitam o seu uso, tais como não serem resistentes à água e não oferecerem películas uniformes E serem muito dessecantes.

 

Mesmo com formulações quimicamente estabilizadas e comprovadamente funcionais, é importante relembrar aspectos muito importantes como a quantidade de produto a usar - 2mg/cm2 - se assumirmos um adulto com 1,65 m e 70kg, ele necessitaria de 30g para cobrir sua área corporal não coberta; deve aplicar uma película espessa e reaplicar especialmente se há um mergulho ou sudorese.

 

Protecção anti-UVB

Factor SPF Sun Protection Factor
O FPS é uma medida laboratorial imperfeita do dano à pele que indica a efectividade do filtro solar baseada na avaliação da Minimal Erythemal Dose (MED) “in vivo”, usando uma quantidade estandardizada de protector solar: 2 mg/cm2, não fornecendo informação sobre a atenuação dos raios UVA . O SPF não deve ser interpretado como “nº minutos a mais ao sol” ou “um protector n vezes mais poderoso”. Indica apenas a capacidade que o protector solar tem para proteger das queimaduras solares. Por considerar que não servem o objectivo de clareza exigido, a Comissão Europeia propôs a substituição dos índices numéricos pelas categorias «fraca», «média», «alta» e «muito alta». Os dermatologistas garantem que vale a pena investir nos factores de protecção mais altos, mesmo que as diferenças de protecção não sejam muito grandes – a título de exemplo, o FPS 15 filtra 93,3% da radiação ultravioleta B, enquanto o FPS 30 filtra 96,7%. Mesmo não sendo possível alcançar uma protecção de 100%, quanto mais altos forem os valores, maior o espectro de protecção.

Protecção anti-UVA

PPD é um método estável e reprodutível avaliando a atenuação UVA de um protector solar, que avalia o escurecimento da pele induzido por uma lâmpada UVA medindo a dose mais pequena capaz de induzir pigmentação da pele após 2 horas (Minimal Pigmentary Dose - MPD). Este fenómeno (Meirowsky) consiste num escurecimento da pele transitório imediatamente após a exposição aos UVA, como uma ligeira coloração cutânea cinzento-acastanhada, desaparecendo progressivamente e estabilizando depois de 2 horas. O mecanismo deste processo é pouco conhecido, estando provavelmente relacionado com uma reorganização espacial dos melanossomas nos queratinócitos e uma foto-oxidação da melanina pré-existente. Os valores de SPF e de PPD são diferentes para o mesmo protector solar, por exemplo: um protector solar de protecção muito elevada poderá ter um SPF de 50 e um PPD de 25 (o SPF mede a atenuação de uma queimadura solar e o PPD mede a atenuação do escurecimento da pele). No entanto, um bom balanço SPF – PPD deve reflectir uma atenuação perfeita de ambos os UVB e UVA. A razão europeia SPF/PPD implementada é de < 3. Esta indica uma boa protecção UVB-UVA e está etiquetada nos tubos dos protectores solares com o logo "UVA".

IPD é um método em tudo idêntico ao PPD, com a diferença no tempo de leitura, que é 2 minutos. É um método pouco utilizado por apresentar variação nos resultados.

Comprimento de onda crítico (c)) A Comunidade Europeia considerou que o SPF e o PPD não são suficientemente precisos na informação sobre a qualidade dos protectores solares em proteger contra as radiações UVA longas, razão pela qual o comprimento de onda crítico começou a fazer parte dos itens de etiquetagem recomendados a partir de 2007. O c) avalia a absorção dos UVAS longos pelolcomprimento de onda crítico. Deve ser igual ou inferior a 370 nm.

 

A melhor proteção contra o UVA é provida por produtos que contêm óxido de zinco, avobenzona e mexoryl®. Dióxido de titânio provavelmente provê boa protecção, mas não cobre todo espectro do UVA.

Activos de filtro solar permitidos pela FDA:

(Esta publicação é da autoria da Dr.ª. Isabel Figueira)

publicado por Anti-Envelhecimento às 11:28
link do post | comentar
17 comentários:
De MARIA MIGUEL CASTRO a 5 de Abril de 2010 às 16:37
Parabéns pelo excelente artigo! Nesta sociedade de consumismo oportunista é emergente estar-mos realmente elucidados, para sabermos o que queremos comprar, e não o que nos querem vender. Não sei se podem usar o blog para publicitar alguma marca em concreto. Se puderem, já agora indiquem-nos as marcas mais "honestas", assim como o factor mais aconselhável para esta época.
Obrigado, Maria Miguel Castro
De Anti-Envelhecimento a 6 de Abril de 2010 às 10:57
Infelizmente, que eu conheça, não há qualquer marca com o título tipo escolha acertada. Vivemos numa sociedade "tamanho único".
Tal como para os dermocosméticos - BIOAGINGSKIN - tivemos de meter mãos à obra e desenhar uma linha biológica, também terá de fazer o mesmo quanto à protecção solar. Poderá entrar em contacto com a farmácia Central de Valongo e auscultar a possibilidade de lhe fazerem um protector (224220111) mas não garanto. Nada como tentar...!
De Catarina Fonseca a 5 de Abril de 2010 às 23:18
Boa noite doutores. Tenho duas crianças com 4 e 7 anos e pelo que percebi para eles é mais seguro comprar protectores com filtros físicos . E para nós, os 26 filtros químicos que constam da lista positiva são realmente seguros ou é melhor optar também pelos físicos . Obrigado por toda a informação disponibilizada.
De Anti-Envelhecimento a 6 de Abril de 2010 às 10:48
ACHO PREFERÍVEIS OS FILTROS FÍSICOS, POIS EM PRINCÍPIO SERÃO INERTES.
De Sofia Salgado a 6 de Abril de 2010 às 11:00
Muito bom! Obrigada.
De CARLA PACHECO a 6 de Abril de 2010 às 15:14
BOA TARDE,
O MEU FOTOTIPO É O 3. O ANO PASSADO USEI UM PROTECTOR COM FPS 50 NO ROSTO E 30 NO CORPO, MAS NÃO FIQUEI BRONZEADA. ESTE ANO ESTOU A PENSAR USAR O 30. MAS SERÁ QUE O IMPORTANTE É ESSA RELAÇÃO FPS/ PPD ? FICO A AGUARDAR UM CONSELHO, QUANDO TIVEREM DISPONIBILIDADE, CLARO. CUMPRIMENTOS, CARLA P.
De Anti-Envelhecimento a 7 de Abril de 2010 às 14:20
Olá Carla
Tenha em conta duas coisas fundamentais: qual é o seu objectivo para ficar bronzeada? A produção de vitamina D não exige bronzeamento.
Ficar bronzeada = foto-envelhecimento. É isso que procura?
A produção de vitamina D, essencial à nossa vida, fica bloqueada pela presença de protector solar.
Escolha o melhor dos dois mundos!
De CARLA PACHECO a 7 de Abril de 2010 às 19:16
OBRIGADO PELA RÁPIDA RESPOSTA. MAS, PELO QUE JÁ LI, A VITAMINA D EXIGE UMA EXPOSIÇÃO DE 15min DIA, E O RESTO DO TEMPO? PROTECÇÃO 50 - TEM QUE SER? MAIS UMA VEZ OBRIGADO.
CUMPRIMENTOS, CARLA P.
De Cidalia Freitas, Vila do Conde a 6 de Abril de 2010 às 17:23
Caros doutores, parabéns pelo interessantíssimo artigo. Veio mesmo a calhar nestes primeiros dias de primavera. Só uma pergunta, dentro do grupo dos filtros químicos aprovado pela FDA , aconselha algum, ou alguma associação em particular? Obrigado.
De Anti-Envelhecimento a 7 de Abril de 2010 às 14:11
Tenho sempre muitas dúvidas (infelizmente cada vez mais) a tudo que vem da FDA!
A minha escolha recai sistematicamente nos filtros físicos, pois estes não interagem com as outras substâncias. Acho preferíveis os químicos naturais como o licopeno , etc.
A maioria, se não todos, dos protectores têm químicos nocivos como os parabenos . Ora numa pele já de si fragilizada pela radiação solar sujeita-la a químicos agressivos parece-me um contra-senso .
De Ricardo Pereira a 7 de Abril de 2010 às 11:07
Bom dia. Gostava de saber se usar um creme diário anti-rugas que contenha protecção solar faz o mesmo efeito que só um protector propriamente dito em termos de protecção. Esta duvida surgiu-me posto os filtros serem tão complexos, provavelmente irão interagir com os outros componentes do creme, ou não...? Obrigado e parabéns pelo blog. Sou um leitor assíduo. Ricardo Pereira
De Anti-Envelhecimento a 7 de Abril de 2010 às 14:01
Caro Ricardo
A pele envelhece por dois mecanismos: o envelhecimento intrínseco devido à idade, e o foto-envelhecimento devido à radiação solar. Se os protectores solares só intervêm neste último, os cremes anti-rugas intervêm nos dois tipos. Se optarmos por filtros físicos tiramos as interacções da equação.
Tenha em conta que apenas uma meia-dúzia de fármacos têm acção comprovada no anti-envelhecimento da pele. Tudo resto é publicidade e sonho!
De Jose Luis a 13 de Abril de 2010 às 16:07
Sou farmacêutico comunitário e nos poucos "tempos livres" aproveito para pesquisar um pouco sobre temas de interesse para aconselhamento na farmácia , daí ser um leitor mais ou menos assíduo deste blog, que considero de muita qualidade. Ao pesquisar sobre protecção solar deparei com este interessantíssimo artigo da minha colega Isabel Figueira, que conheço já desde a universidade e que me vem surpreendendo ano após ano pela positiva, daí não podendo deixar passar sem dar o meu parecer - Muito bom! Acho que estão no caminho certo. Parabéns pelo blog e pelos temas escolhidos.
De Cristina a 2 de Abril de 2011 às 19:06
tenho melasma
De Cristina a 2 de Abril de 2011 às 19:10
Boa tarde, tenho melasma, uma pele super oleosa.
Há muitos anos que uso protector solar no rosto, todos os dias. Neste momento, uso o factor 50 da roche posay, para peles oleosas.
Tenho ouvido muito falar dos protectores biológicos. Serão eficazes?
De Anti-Envelhecimento a 7 de Abril de 2011 às 17:59
Sim, são suficientemente bons.
Caso queira mais pormenores contacte a Dra. pelo 224220111.
De cristina Botelho a 1 de Junho de 2011 às 22:04
Soube dos vossos cremes por intermédio de uma amiga e infelizmente fui à farmácia de Valongo encomendar um creme para o meu tipo de pele e foi uma desilusão. Primeiro disseram-me para passar no dia seguinte e assim foi, fiz o meu desvio e não estava pronto como combinado. Depois ficou para o dia seguinte e no outro dia não estava pronto, novamente. Será que a qualidade dos produtos não deveria ser proporcional à qualidade do atendimento. Desisti, vou continuar com os meus cremes pois não concebo esta falta de consideração pelo cliente. Assim não!

Comentar post

Torne-se fan da nossa página:

Dr. Luís Romariz

Dr. Luís Romariz licenciou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Porto em 1979, e especializou-se em Medicina Familiar em 1988, tendo actualmente o grau de Assistente Graduado. Tem desenvolvido a medicina preventiva nos últimos 27 anos e alcançou o International Certificate of Age Management Medicine no Cenegenics Medical Institute de Las Vegas, em 2005. Tem ainda pós-graduação pela Harvard Medical School, e pela Medical School of Yale University. Tem o curso de Internacional de Mesoterapia e de Medicina Estética. membro diplomado da AMME da França. É membro da Americana A4M, da Life Extension Foundation e da Andropause Society, do Reino Unido. Speaker internacional. É o pioneiro da medicina Anti-Aging em Portugal É o fundador do Instituto Médico NewAge, no Porto.

Medicina Anti-Envelhecimento

Especialidade médica (Age Management Medicine) nascida há cerca de 8 anos nos EUA e que encara o envelhecimento como uma doença da qual conhecemos as principais causas e os sintomas, mas que ainda não é curável.
Não sendo curável é no entanto possível retardar o seu aparecimento e praticamente suprimir os sintomas. Isto consegue-se à custa de:
- Medicina preventiva proactiva, curativa de tecnologia de ponta, e harmonização hormonal.
- Nutrição optimizada e suplementada.
- Exercício físico sustendato e hormonalmente optimizado.

Pesquisar

 

Subscrever feeds

blogs SAPO

Subscrever feeds